O KARMA DO MAXAQUENE É UM CASTIGO E UMA OPORTUNIDADE PARA CORRIGIR OS ERROS

Dirão os “maxacas” que deixem que os problemas do Maxaquene sejam os próprios a resolverem, isso em tom de contestação pelos turbilhões de interpretações malévolos ao clube que historicamente tem muito a contar. Ninguém gosta que as suas contrariedades sejam trazidas na praça pública e não estarão certamente os adeptos desta colectividade, mas é nos difícil ficar alheio ao que se considera uma desarmonia que se poderia ter evitado, não fosse a preocupação desenfreada pelas charadas intestinais do que propriamente com o desenvolvimento do Clube de Desportos da Maxaquene, feito por aqueles que tinham o poder de decisão. No meio disto, acaba todo caixote de peixe dado como depravado. Que passaram por esta colectividade dirigentes honestos não há aqui qualquer objecção e estes devem estar envergonhados por ver o seu clube no estado em que hoje se encontra. Sarcasticamente, é o consumo do seu próprio veneno!
Com uma história de nascença iniciada em 1920, o antigo Sporting de Lourenço Marques está na boca do “mundo” pelas piores razões de índole interno mal geridas e que se dilaceraram pelo tempo, afectando a generalidade da instituição e particularmente aquilo que é o seu estandarte, o futebol. A uma jornada do fim, depende de vários factores para conhecer a sua sorte na prova raínha do futebol nacional. Esta situação surpreende a quem vive de longe a realidade do clube pois, e para mim, por mais cruel que seja a verdade, há muito que havia sinais de que este dia chegaria no clube do Bairro Central.
A prosmiscuidade dos homens levou isto à derrocada e sei que alguns destes que fizeram mal ao clube são os mesmos que hoje ajudam a prantear porque, como disse Samora Machel, um ambicioso é capaz de tudo! Não se importa de fazer mal à maioria em benefício próprio!Leia mais...
GILBERTO GUIBUNDA
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade