TRAIÇÃO OU GOLPE DE MESTRE?

Aligação de Abel Xavier com a Federação Moçambicana de Futebol (FMF), apesar do fim anunciado, ainda cria debates diversos. Há ainda pessoas contrariadas com o fim deste “romance”, alegadamente porque, vendo o lado positivo de Abel nos Mambas, sobretudo dos assessórios concedidos a uma organização que se referiu inexistente até à sua chegada. Esses mesmos, que em algum momento o contestaram pelos maus resultados e também pelo fracasso em todas as competições, vêm a terreiro dizer bem alto que o problema dos Mambas não pode ser imputado ao ex-internacional português, baseando-se, sobretudo, no nível estrutural do futebol nacional. Referem que mesmo com Pep Guardiola, Juerg Klopp ou José Mourinho os Mambas não chegariam longe. Muito blá, blá, blá vindo de todos os quadrantes, onde qualquer um emite a sua opinião, inventando cada um a história que convém. Depois da eliminação diante de Madagáscar há quem diga que alguns jogadores dos Mambas venderam o jogo da segunda “mão”. Valha-me Deus! À margem desses devaneios, a FMF não quis ficar alheia ao futuro dos Mambas. O técnico Luís Gonçalves, que já foi adjunto de Abel Xavier, é o nome apontado para seleccionador nacional, situação que pode suscitar outro tipo de debates, provavelmente sem se fazer menção à qualidade ou não do técnico português.
Há mais: Luís Gonçalves pediu para se afastar dos Mambas comandados por Abel Xavier alegando a existência de divergências técnicas. Na altura Gonçalves disse que “existem momentos em que temos de perceber que o nosso percurso, num determinado lugar e determinado contexto, chegou ao fim e foi exactamente isso que aconteceu. Apesar da vontade de fazer parte deste projecto até ao fim, a decisão mais acerta é esta... Há princípios e valores dos quais não abdico”, citamos.Leia mais...
Joca Estêvão
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade