Manave explica por que Deverá ser eleito presidente da Fiba-Africa

Por: DEANOF POTOMPUANHA
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Fotos de Arquivo
O actual presidente do Comité Olímpico de Moçambique (COM) e da Zona VI da Fiba-Africa, o moçambicano Aníbal Manave, é o único candidato à sucessão de Hamane Niang, que deixou a presidência para concorrer ao cargo da FIBA-Mundo. Manave, que já submeteu a sua candidatura ao organismo que gere o basquetebol africano, através da Federação Moçambicana de Basquetebol (FMB), desvaloriza os debates que o colocam numa situação de incompatibilidade por ser presidente do COM e da Zona VI da Fiba-Africa (cargo que anunciou a sua retirada e que poderá ser ocupado pelo moçambicano Abreu Muhima ou pelo angolano Paulo Madeira, únicos candidatos), e explica as razões que o colocam numa posição privilegiada para ser o presidente da FIBA-Africa até ao dia 23 de Junho próximo. O ex-presidente da FMB recorreu a vários exemplos para sustentar a sua posição, recorrendo a nomes que inclusive estiveram em cargos similares. Mas antes de avançarmos para os seus argumentos levamos ao leitor alguns artigos de três documentos, designadamente Estatutos do COM; Lei do Desporto e Estatutos da FIBA-Africa. Comecemos pelos estatutos do COM. No seu artigo 19.º (presidência e representação do COM), n.º 3, está plasmado que os cargos de presidente e secretário-geral do COM são incompatíveis com o exercício de quaisquer funções executivas em federações e associações desportivas.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade