C COMPETIÇÕES

EVOLUÍ EM DUZENTOS POR CENTO COMO TREINADOR

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Por: JOCA ESTÊVÃO
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Fotos de Luís Muianga

Na época recentemente finda Dário Monteiro treinou a equipa Sub-23 da Académica de Coimbra, da Liga Revelação, prova conquistada pelo Aves. Para um rescaldo da sua primeira experiência como treinador em Portugal, a conversa decorreu num período em que Dário Monteiro ainda desfruta de um Verão sempre desejado na Europa. O ex-capitão dos Mambas está num momento em que perspectiva o seu futuro, que até agora é incerto, dado que o seu contrato com a briosa vai terminar a 30 de Junho. – Como avalia a sua primeira época como treinador em Portugal, precisamente ao serviço da Académica, onde brilhou como jogador? – Considero-a positiva. E também assumo-a como tal para os jogadores pelo treinador que tiveram, que é uma referência da instituição Académica, tendo encontrado uma outra forma de trabalhar. Para mim, foi igualmente marcante, uma vez que tive de lidar com uma nova realidade. Bem diferente daquela que havia vivido em Moçambique. – Que impacto tem na sua vida profissional o facto de a equipa Académica ter terminado nos lugares cimeiros na Liga Revelação? – A classificação não é um problema. Desde o início foi quase unânime que não tínhamos condições para ombrear de igual para igual nesta competição com os nossos adversários, que são (todos) da I Liga. Com o trabalho que fizemos e com a evolução que conseguimos provámos o contrário em vários jogos. Como não havia a preocupação da descida ou não a nossa maior preocupação foi o desenvolvimento individual de cada membro do nosso plantel e isso foi conseguido. – Como é que os jogadores da Académica olhavam para si por ser um treinador saído de Moçambique? – No início senti que olhavam para mim com alguma desconfiança, apesar de ser uma referência da Académica. Com o tempo o trabalho no fez conhecermo-nos mutuamente e tudo fluiu naturalmente. – Os jogadores que formaram o plantel da Académica foram formados no clube ou vieram de outras colectividades? – O nosso plantel era formado por dois grupos de jogadores, sendo que uns ascenderam dos juniores da instituição, que na época transacta lutara p e l a manutenção, e o outro grupo era composto por jogadores que vieram de equipas distritais.

Publicidade
SN-GRÁFICA

Moçambola 2019

Pos Equipe J V E D GC GM Pts DP
1. C. do Sol 30 20 6 4 25 56 64 +31
2. UD Songo 30 19 3 8 29 47 59 +18
3. Fer. Maputo 30 13 9 8 22 34 43 +12
4. Fer. Beira 30 12 9 9 25 34 43 +9
5. Fer. Nacala 30 12 5 13 31 28 40 -3
6. ENH 30 10 11 9 30 29 37 -1
7. LD Maputo 30 11 7 12 36 30 37 -6
8. Textafrica 30 11 7 12 30 22 37 -8
9. Des. Maputo 30 10 10 10 29 35 36 +6
10. Incomáti 30 10 10 10 31 29 36 -2
LD Maputo 5 : 4 Des. Maputo
Têx. Púnguè 1 : 1 Nacala
B. de Pemba 1 : 2 ENH
Chibuto 1 : 0 UD Songo
Fer. Nacala 1 : 0 Fer. Beira
Fer. Nampula 2 : 1 C. do Sol
Maxaquene 1 : 0 Fer. Maputo
Textafrica 1 : 1 Incomáti

Director: Almiro Santos
Chefes da Redacção:
Reginaldo Cumbana e Gil Carvalho

Desafio é um Jornal desportivo, produto da Sociedade do Notícias.

O Jornal esta disponível em formato físico impresso, o mesmo pode ser lido em formato electrónico.

Play Store

AppStore

SNLogo2

Propriedade da Sociedade do
Notícias, SARL
Direcção, Redacção e Oficinas
Rua Joe Slovo, 55 • Cx.Postal 327
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
( Tel's: 21320119 / 21320120 )
Script:
Topo
Baixo