Tiro de Liberty liberta via para a solidificação

Texto de Joca Estêvão

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fotos de Luís Muianga

 Um tiraço do zimbabweano Liberty, do “meio da rua”, foi suficiente para abater um canário à deriva, no seu próprio reduto. Esta vitória locomotiva, referente à partida da oitava jornada, consolida a liderança do Moçambola-2018, alargando para nove a diferença pontual com os canarinhos, que já não vencem há quatro jornadas.

O canário continua doente! Mudaram-se os procedimentos para a cura, mas a enfermidade persiste, ou seja, o técnico português Horácio Gonçalves chegou ao Costa do Sol para substituir o argentino Leonardo Costas, alegadamente demitido por maus resultados, mas as vitórias continuam distantes do “ninho” do canário.

Na recepção aos locomotivas, o Costa do Sol apresentou-se sem grandes mudanças no “onze” em relação aos jogos anteriores. Sarmento foi a única alteração trazida por Gonçalves para juntamente com Nené servirem de primeiro tampão defensivo, à frente do quarteto formado por Manucho, Chico, Salomão e Jorge. Berrian foi o homem mais adiantado no ataque, com auxílio de Isac. Chawa e Terrence, sobretudo o liberiano, eram indicados para fazer as despesas pelas alas. Todavia, na primeira parte a equipa da casa mostrava-se inoperante, ante um adversário, que com a inclusão de Elias, que jogou com Kelo no ataque, mostrava mais capacidade de transportar as bolas para criar situações de enorme perigo à baliza de José Guirrugo.

Na primeira fase do jogo o sector defensivo canarinho foi submetido a um trabalho aturado para travar as investidas dos visitantes, que apresentavam um futebol simples, alegre, mas sem lograr os seus intentos.

Guirrugo quase facilitou a vida aos visitantes quando carregou Elias, dentro da área, aos vinte e quatro minutos. Elias encarregou-se de cobrar o castigo máximo, mas executado mal, permitindo a defesa do keeper canarinho. No minuto seguinte, e na sequência da cobrança de um pontapé de canto, Elias, dentro da área, em boa posição, atirou para as nuvens, para o desespero dos seus adeptos.