Siga-nos:

joomla vector social icons

Opinião

Basquetebol

Notícias

Editorial

Retrovisor

Dêem futebol ao povo que não fala do preço de combustível

O futebol está a mostrar, desde a semana passada, que é mesmo uma força indispensável para o equilíbrio social e foi responsável por dar alegrias incontidas aos moçambicanos, na mesma altura em que o custo de vida era agravado pela subida do preço dos combustíveis e das telecomunicações.

Uma força tal há muito conhecida, mas que, infelizmente, parece que os políticos moçambicanos ignoram essa sua força e indispensabilidade a ponto de não investirem nele como era de esperar.

Aliás, há milénios que os romanos descobriram a força, a indispensabilidade e a necessidade do “espectáculo” como factor de criação de paz social de modo a que, quem governasse, o fizesse longe das pressões e tensões sociais causadas, algumas vezes, por políticas mal concebidas de quem governa.

Foi por isso que os romanos sentenciaram a importância do espectáculo para o equilíbrio social na célebre política do “pão e circo”.

Não compreendeu? Tão simples de explicar.

Quando a Roma tornou-se um Estado forte e rico, optou por uma política de expansão territorial. Sob domínio dos imperados romanos estavam vastos territórios, com muita gente a viver em condições de carências alimentares, de habitação, saneamento do meio e outras tantas dificuldades.

Estas condições eram perfeitas para a eclosão de convulsões sociais mas, astutos, os imperadores romanos criaram uma política de pão e circo que conduzisse o povo a não se manifestar perante as dificuldades da vida enquanto, do outro lado, quem governava o faria sem tensões sociais.

Para tanto, o Governo distribuía presentes ao povo, na sua maioria composto por cereais que garantiam que a “plebe” não morreria a fome. A acrescer, haviam 180 dias ao ano dedicados a diversos espectáculos de circo, entre eles os famosos combates dos gladiadores.

Com a política de “pão e circo”, o Governo garantia que o povo não morresse de fome e tampouco de aborrecimento devido às condições em que estava votado, por vezes devido a políticas mal feitas ou acções pouco acertadas do próprio Governo.

A vantagem da política de “pão e circo” era que, ao mesmo tempo em que a população ficava contente e apaziguada, a popularidade do Imperador entre os mais humildes ficava consolidada.

Assim, mesmo perante potenciais condições para haver convulsões sociais graves, a população continuava tranquila, enquanto o Governo, largamente aceite entre aqueles que deviam protesta-lo, ganhava tempo e espaço para corrigir eventuais erros até por si cometidos na gestão das políticas públicas.

É esta lição que, lamentavelmente, tenho que acreditar que os nossos políticos não aprenderam e que, com certeza, muita falta lhes falta.

Todos os governos do mundo sabem que se não for pela ditadura, para governarem sem grande oposição do próprio povo a que juraram servir e que, não raras vezes, mais decepcionam do que agradar, devem ter acções que se assemelhem à política romana de “pão e circo”.

Cá entre nós, parece que a semana finda foi rica em acontecimentos desportivos de grande revelo que desviaram as atenções do povo do agravamento do custo de vida, depois que o Governo decidiu por aumentar os preços dos combustíveis e a empresa de telefonia móvel, Vodacom, agravou por seu turno a tarifa das chamadas nesta rede.

Até porque um facto pode não ter nada a ver com o outro, mas o que é verdade é que se algum momento houve quem tivesse perdido o sorriso na cara pelo agravamento do preço dos combustíveis e das chamadas telefónicas na rede Vodacom, certo é que, ao longo da semana passada, outros tantos deram largas à vida com a qualificação do Ferroviário da Beira à fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos e à vitória dos Mambas diante de Angola, por 2-0, em jogo de carácter particular integrado na Data-FIFA.

Os que na passada quinta-feira ficaram até altas horas da noite à espera do chegada do Ferroviário, na cidade da Beira e os que, do Zimpeto e para o país todo celebraram a vitória dos Mambas, naquele momento e nos dias seguintes, de certeza que tiveram através do futebol um motivo de continuarem vivos que havia sido roubado pelo aumento dos preços de combustíveis e telecomunicações.

Portanto, quem governa não pode minimizar a força do futebol. E quando o der importância, mais do que se tornar pequeno aos seus pés, estará a ser politicamente astuto.

E caso os Mambas ganhem amanhã, na Beira, diante do Lesotho, serão outros tantos dias de celebração para este povo há muito sofrido e de cujo custo de vida sobe a cada dia.

Por isso, é mestre o Governo investir no futebol e outras modalidades desportivas como estratégia política. Mais do que para o alcance de fins desportivos, mas também e fundamentalmente para fins políticos.

Narciso Nhacila

0
0
0
s2sdefault
2final.gif

Classificação do Moçambola 2017

Equipas
J V E D GM GS P
1 U.D. Songo 17 11 2 4 22 11 35
2 Costa do Sol 17 10 4 3 22 10 34
3 F. de Nacala 17 8 4 5 13 11 28
4 F. de Maputo 17 8 3 6 18 15 27
5 Liga Desportiva 17 7 4 6 24 21 25
6 D. Nacala 16 5 8 3 12 8 23
7 F. de Nampula 17 4 10 3 14 11 22
8 ENH de Vilankulo 17 5 7 5 20 19 22
9 Clube de Chibuto 17 5 6 6 15 18 21
10 F. da Beira 15 5 5 5 21 17 20
11 Maxaquene 17 4 7 6 16 18 19
12 Textáfrica de Chimoio 17 5 4 8 16 22 19
13 1º De Maio 17 4 6 7 17 21 18
14 UP Lichinga 16 5 3 8 9 14 18
15 Chingale de Tete 17 4 5 8 16 23 17
16 A D Macuácua 17 2 6 9 9 25 12
BNIfinal.gif
1final.gif

Mambas

Tabela de Preços

publicidade.gif

Sondagem

O que acha do site?

Quem está online?

Temos 329 visitantes e sem membros em linha

Banca de Jornais

Sociedade do Noticias
  • EconomiaEconomia
  • CulturaCultura
  • DomingoDomingo
  • DesafioDesafio
  • NotíciasNoticias

Conselho de Administração

Bento Baloi Presidente

Rogério Sitoe Administrador

Cezerilo Matuce Administrador