COGITAÇÕES & ILAÇÕES - Regresso de um campeonato que nunca devia ter parado!

Por: SÉRGIO MACUÁCUA
 
No próximo sábado, 8 de Junho corrente, regressa antecipadamente a disputa do Campeonato Nacional de Futebol, o Moçambola-2019, prova que havia sido interrompida desde 19 de Maio para dar lugar aos compromissos da Selecção Nacional, os “Mambas”, que participou no Torneio da COSAFA até quinta-feira, de onde saiu reduzida à própria insignificância. Trata-se de uma interrupção que gerou uma ira no seio dos amantes do futebol e dos clubes, pois o Torneio da COSAFA, não sendo prova da FIFA, o seleccionador nacional, Abel Xavier, não precisava de levar a “artilharia pesada” e com isso forçar a interrupção do Moçambola, pois os clubes viam-se privados dos seus melhores jogadores. A Federação Moçambicana de Futebol (FMF), juntamente com o seleccionador, justificaram a convocatória de todo aquele arsenal, que incluía jogadores que actuam na Europa, pelo facto de os “Mambas” quererem vencer esta prova, depois do fracasso na corrida ao CAN-2019. E porque era um tudo por tudo para lavar a imagem de uma instituição praticamente sem norte (e que vai a eleições nos próximos meses) e um seleccionador que falhou em todos os capítulos e objectivos desde Fevereiro de 2016, a FMF viu-se obrigada a interromper as competições que entrassem em choque com os interesses dos “Mambas”, figurando o Moçambola, quando semanas antes a mesma FMF defendia que o Torneio da COSAFA não seria motivo de interrupção do Moçambola, uma prova que, infelizmente, já começou tardiamente por razões logísticas já conhecidas. Depois de cinco jornadas o Moçambola foi, infelizmente, interrompido para dar lugar ao interesse supremo da Nação; a conquista do Torneio da COSAFA, qual quê? Abel Xavier levou a sua forte artilharia que inicialmente até incluía Zainadine, Clésio ou Dominguez (que declinaram a chamada) para o COSAFA. Enquanto isso, o Moçambola parava e o povo lamentava. Parou numa altura em vinha sendo bem disputado, com uma das melhores médias de golos dos últimos 10 anos. Só para se ter ideia, foram marcados 95 em cinco rondas, ou seja, em 40 jogos, mais 23 tentos que 2018. Mesmo com a contestação, ira e frustração dos moçambicanos, o Moçambola parou e, inicialmente devia retomar a 18 de Junho, pois partia-se do pressuposto que Moçambique chegaria à final do COSAFA pelo menos, sonho que ruiu de forma vergonhosa.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade