É uma perda irreparável para o desporto

“É uma perda irreparável para o desporto moçambicano, tomando em consideração que o Miguel ainda tinha muito para dar ao nosso futebol. Desde aquilo que ele fez pelos clubes por onde passou até chegar à selecção nacional, para além das passagens que ele teve no estrangeiro como Suazilândia e África do Sul. Eu acho que é chegado o tempo de sabermos como tratar os nossos ídolos, por isso a LMF está ainda a fazer um estudo em como tratar esse assunto da valorização das nossas referências, mormente ainda em vida”.