Sem cabeça para a alta competição

– Sinto que sou uma pessoa muito querida no futebol moçambicano. Criei amizades, com bases muito sólidas. Irei manter contacto com essas pessoas porque ajudaram-me a construir o dirigente que sou hoje. 
Aprendi muito delas para tornar-me o que sou hoje. O desporto deu-me aulas de vida. Também, em alguns momentos, corrigi como pude, mas aprendi mais do que ensinei. Infelizmente, não poderei continuar a ter 
espaço para mergulhar de cabeça na alta competição ou em outros cargos de dirigente desportivo. Esta é uma decisão irrevogável, precisou.