Cinco petizes morrem numa partida de futebol

Com efeito, na última sexta-feira o pequeno Orlando Alberto, na companhia de oito amigos, realizavam mais uma partida de futebol na Ravina do bairro do Triângulo, quando a fatalidade o colheu repentinamente e para sempre.

O facto, que deixou os moradores daquele ponto é que os outros pequenos haviam improvisado bancadas defronte das dunas da Ravina do Triângulo, como se de bancadas se tratasse, e de espectadores o inédito aconteceu, visto que sem se aperceberem a areia cedeu e soterrou cinco finados, que tinham idades entre 8 e 12 anos.

Das oito crianças de jogavam no local, três ainda foram socorridas por pessoas de boa vontade que realizavam mais uma secção de treinos e levados para a Clínica Capricórnio, que dista alguns quilómetros da estrada da chamada boa viagem.

Estefano Albero e Eusébio Gabriel, irmãos de um dos finados, visivelmente tristes e emocionados, somente sublinharam a necessidade de todos estarem unidos neste momento de dor e consternação que abalou a família.

Desafio registou os momentos em que a família dava o último adeus a Orlando Alberto, onde os crentes da igreja católica entoavam cânticos de louvor a Deus, numa cerimónia fúnebre em que todos estavam visivelmente amargurados, com semblantes carregados de lágrimas e dor.

Os restos mortais do pequeno Orlando foram a enterrar no cemitério comunitário no bairro do Triângulo, vulgo Chale Ossufo, local onde, aliás, decorreram os funerais de outros três meninos da comunidade islâmica, tendo o corpo do último finado sido transladado para o distrito de Meconta.

As autoridades Municipais sempre estiveram ao lado das famílias, dando apoio psicológico, bens materiais e géneros alimentícios.

O vereador da Juventude e Desportos, Xadreque Niconela, e a Diretora dos Serviços distritais da Saúde Mulher e Acção Social de Nacala, Janete Chão, estiveram sempre juntos a unirem forças e energias para confortarem as famílias.

Redacção