Willard foi enorme!

É certo que o Costa do Sol teve um domínio do jogo tanto territorial assim como ao nível de posse de bola, mas não é isso que ganha jogos, sobretudo quando doutro lado está um guarda-redes em tarde “sim”. E Willard teve, de facto, uma actuação de sonho, travando no mínimo três situações claras de golo e quando não era este e defender surgiam os seus colegas da defesa a substituí-lo e nalgum momento os atacantes canarinhos é que denotavam problemas de frieza, o que fez com que até o fácil se tornasse difícil.

O jogo, que teve uma primeira parte algo interessante devido ao equilíbrio que se assistia, começou com o Costa do Sol a mostrar-se mais perigoso, tentando fazer jus ao factor casa. Foi assim que aos sete minutos Chibanga, a passe de Manuelito, fez o primeiro remate da partida travado por Willard. Volvidos quatro minutos, depois de um excelente trabalho de criatividade de Ruben, o mesmo jogador voltou a rematar forte, mas por cima.

O Ferroviário da Beira não entregou o jogo ao adversário e mesmo sem criar grandes oportunidades de golo conseguiu equilibrar a partida. No entanto, mesmo ganhando a bola e equilibrando a balança notava-se que faltava alguma qualidade nos passes e até de discernimento nas transacções ofensivas devido à má qualidade dos passes, quiçá por falta de jogadores do nível dos ausentes Paíto e Maninho.

A primeira parte terminou com uma falta cobrada por Dário Khan, com o esférico a sobrar para Chiukepo rematar forte para mais uma defesa de Willard.

Canário aperta

mas não marca

Manuelito I, que era um dos homens mais esclarecidos no meio-campo, ficou no banco, certamente por causa do amarelo que havia visto, tendo vindo para o seu lugar Alvarito.

Mas quem teve melhor início desta etapa foi o Ferroviário da Beira, que até poderia ter chegado ao golo se Dito não tivesse sido mais lesto para tirar a bola do alcance de Reinildo.

Entretanto, o equilíbrio que se chegou a ver na primeira parte deu lugar a um desequilíbrio provocado pelo Costa do Sol, que foi se agigantando, criando situações complicadas para a defensiva do Ferroviário da Beira. Foi nessa altura que se confirmou a classe de Willard, que defendia quase tudo e quando não fosse ele eram os defensores que substituíam o keeper ou, na pior das hipóteses, os próprios jogadores canarinhos se encarregavam de rematar de forma desenquadrada com a baliza. 

É certo que defendeu tudo e todas, mas o grande momento de Willard foi quando parou um forte remate de David, aos 83 minutos. Já sobre o apito final Ruben teve a última oportunidade de golo, mas novamente Willard esteve no sítio certo para negá-lo.

E o jogo terminou com o nulo a prevalecer, um resultado que castiga o Costa do Sol, que foi a equipa que mais procurou o golo, mas que encontrou um guarda-redes à altura e que negou tudo.   

Em relação à equipa da arbitragem, nalgum momento do jogo pareceu-nos que Ainad Ussene deixou jogar em demasiado, sendo obrigado a ter que compensar estas situações. Fora disso saímos do campo com dúvidas em relação a um lance em que nos pareceu que Campira atrasou deliberadamente para Soarito, que agarrou com as mãos para murmúrios dos adeptos e jogadores locomotivas. Não foi o que entendeu Ainad Ussene.

Com este empate o Costa do Sol passa a somar quatro pontos e o Ferroviário da Beira soma dois. Na próxima jornada os canarinhos defrontam a Liga Muçulmana e o Ferroviário recebe o Desportivo de Nacala.

Campo do Costa do Sol

Assistência: cerca de 3000 espectadores

Árbitro: Ainad Ussene, auxiliado por João Paulo e Osvaldo de Jesus. Quarto árbitro: Zefanias Gordandes

Acção disciplinar: amarelos para Manuelito I, pelo Costa do Sol, Henry e Elísio pelo Ferroviário da Beira

Costa do Sol, 0

Soarito

James

Dário Khan

Campira

Dito

Manuelito I (45’)

Chimango

Manuelito II (67’)

Matinde (76’)

Ruben

Chiukepo

Treinador:Arnaldo Salvado

Suplentes utilizados

Alvarito (45’)

David (67’)

Parkin (76’)

Suplentes não utilizados

Gervásio

Tchaka

Moses

Rodrigues

Fer. Beira, 0

Willard

Elísio

Emídio

Cufa

Reinildo

Gildo (58’)

Coutinho

Henry (85’)

Nelito

Mário

Mfiki (70’)

Treinador: Lucas Barrarijo

Suplentes utilizados

Edson (58’)

Djei (70’)

Mandava (85’)

Suplentes não utilizados

Kiki

Tinho

CABINAS

Guarda-redes teve

tarde espectacular

- Arnaldo Salvado, treinador do Costa do Sol

- Já esperávamos um jogo difícil. Penso que na primeira parte houve equilíbrio. Na segunda não se manifestou, pois o domínio foi completo do Costa do Sol, mas encontrámos uma equipa madura que se defendeu bem e teve um guarda-redes numa tarde espectacular, tendo sido claramente o homem do jogo. Salvou dois/três golos da nossa parte. Mas também tivemos situações que com um pouco de frieza e de qualidade poderíamos ter chegado à vitória.  

Temos que melhorar

 qualidade de passe

Victor Matine, treinador-adjunto do Fer. Beira

- É pena não ter havido golos em função do espectáculo. Fomos uma equipa que soube bem se defender, mas não estávamos bem quando partíssemos em contra-ataque, uma vez que falhávamos no último toque. Por isso temos que melhorar alguma coisa em relação à qualidade dos passes. Se empatámos com um candidato ao título então também somos candidatos.

Texto de Atanásio Zandamela

Fotos de Miqueias da Rocha