Bruno Nhavene regressa a Casablanca

Para tal, Nhavene, acompanhado pelo pai, Armindo Nhavene, assinou quarta-feira passada um acordo com a Federação Moçambicana de Ténis, que partilha com a ITF as despesas inerentes à bolsa do atleta, que seguiu sábado a Marrocos, onde junta-se a vários jovens de diferentes pontos do mundo.

Falando à imprensa após assinatura do memorando, Bruno prometeu continuar a trabalhar para melhorar a sua pontuação, tendo como horizonte entrar no Top 500. Fico feliz com a renovação de confiança, porque nem todos que estiveram comigo continuam lá. Prometo trabalhar para melhorar ainda mais com muito treino e dedicação para chegar ao Top 500, que pode abrir possibilidades de mais apoios para torneios internacionais, diz.

Já o presidente da FMT, Valige Tauabo, mostrou grande satisfação pela renovação da confiança. O nosso compromisso em apoiar jovens mantém-se. Fomos acompanhando o processo e a evolução é notória. Temos que olhar para a formação interna e externa e apostar no talento para se enquadrar no Centro de Alto Rendimento em Marrocos, disse, para depois sublinhar que a instituição que dirige comparticipa no apoio ao atleta com quatro mil dólares (cerca de 240 mil meticais), para apoiar na questão material.

Filho de Armindo Nhavene e de Stella Marisa Cambule, Bruno, com 15 anos (21 de Fevereiro de 2002), é duma família tradicionalmente ligada ao ténis e na sua iniciação foi treinado pelo pai, Armindo.