Mãos-à-obra , Barcelona é já ali

No rescaldo da participação da Selecção Nacional de hóquei em patins no 1º Mundial de Patinagem, que a 10 de Setembro terminou na cidade de Nanjing, China, há um aspecto que ficou evidente. É preciso trabalhar duro.

É preciso que a preparação arranque bem mais cedo , com três, quatro meses de antecedência no mínimo. É preciso que o plano de estágio fora de país seja mais alargado – 1 a 2 meses  - e seja acima de tudo marcado por jogos de controlo.

Só com treinos altamente competitivos  é que os hoquistas nacionais poderão resistir as exigências que a novo modelo de disputa do Mundial de Patinagem do Grupo A, passou a impor.  É que ao reduzir de 16 para 8 equipas o número de equipas presentes no Grupo A , agora denominado World Cup, o esforço de cada uma das selecções passou a ser redobrado. Ficou claro em Nanjing.

Por Ivo Tavares

LEIA O ARTIGO COMPLETO NO JORNAL DESAFIO IMPRESSO DESTA SEGUNDA-FEIRA

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade