Recandidato-me para concluir o que iniciei

Ainda que faltem 12 dias para a Assembleia-geral Ordinária da Federação Moçambicana de Patinagem, que vai eleger o novo elenco para o quadriénio 2016/2020, tudo leva a crer que Nicolau Manjate continua a ser figura consensual, devendo avançar sem concorrência para a reeleição.

Nicolau Manjate, que está no final do seu primeiro mandato na presidência da FMP, onde antes foi vice-presidente, afirma que se recandidata a um segundo mandato (2016-2020) por entender que deve dar continuidade a alguns projectos que estão ainda na fase inicial.

O candidato à reeleição, que já esteve em três Mundiais do Grupo A, considera que o seu elenco se sentou à mesa e só decidiu recandidatar-se após ter concluído que o trabalho feito até agora é mesmo positivo.

- Da nossa avaliação, concluímos que fizemos um trabalho muito positivo nos primeiros quatro anos (2011-2015), e não seria bom deixarmos de dar continuidade. Por isso, soucandidato à minha própria sucessão porque em conjunto com o meu elenco temos acções ou metas ainda por cumprir.

Para sustentar a sua intenção, Manjate falou em obras do seu mandato que merecem algum destaque.
- Mesmo reconhecendo o grande trabalho feito por figuras emblemáticas desta modalidade, como são os casos dos doutores Hermenegildo Gamito e Lucas Chachine, bem como Cândido Coelho, acreditamos que demos a nossa grande contribuição no sentido positivo, e hoje a Federação Moçambicana de Patinagem está mais bem organizada e com existência legal, o que lhe confere reconhecimento internamente assim como a nível internacional. Isso é motivo de regozijo.