Prepara-se a superação do sétimo lugar

A preparação, que nesta fase será bissemanal (às terças e quintas-feiras), iniciou apenas com a participação dos atletas que evoluem internamente, sob direcção técnica do seleccionador nacional-adjunto, Pedro Tivane, que conta com apoio de Pedro Pimentel, director técnico da Federação Moçambicana de Patinagem (FMP).

Os trabalhos iniciaram com uma reunião entre a direcção da FMP, corpo técnico e jogadores, na qual foi apresentado o plano de preparação, que deve durar sensivelmente três meses.

De acordo com o programado, a primeira fase da preparação compreenderá, para além de treinos, alguns jogos de controlo diante da vizinha África do Sul, que é um dos mundialistas, entre Abril e Maio.  

Os jogos de controlo com a África do Sul não contarão ainda com a integração dos atletas que evoluem na Europa, nomeadamente Filipe Nabais (Sesimbra, Portugal), Nuno Araújo (Valongo, Portugal), Mário Rodrigues “Marinho” (RAC da França), Bruno Pinto, Frederico Saraiva (SP Braga, Portugal) e provavelmente Igor Alves (sem clube), pois estes só se juntarão ao grupo durante o estágio na Espanha, em princípio, entre finais de Maio e 13 de Junho. A partir do dia 15, a Selecção Nacional pretende estar já na França para realizar mais alguns treinos, para além de adaptar-se ao clima.

Regresso à Espanha para estágio

Depois de há dois anos ter apostado em Portugal para a última fase da preparação da selecção, a FMP decidiu voltar a optar por estágios na Espanha, tal como na preparação do Campeonato do Mundo de Suan Juan, em que ficou em quarto lugar.

- Nós já estivemos na Espanha noutras ocasiões, quando fomos à Argentina. Foi lá onde nos preparámos para o quarto lugar. Nós temos de procurar as melhores condições para a nossa preparação. Não podemos esquecer que Espanha é um país desenvolvido nesta modalidade. Aliás, é campeã mundial. As condições de treinamento e estágio são as melhores que podemos ter. Estamos a accionar mecanismos para ter acesso a estas condições, tal como foi em 2011, disse Nicolau Manjate, presidente da FMP.