MUITA FARTURA - CANÁRIO VOA PARA OS QUARTOS

Por: Atanásio Zandamela
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Fotos de António Muianga
 

Foi com tanta fartura que o Costa do Sol encontrou, sábado, o caminho dos quartos-de-final da Taça de Moçambique-2018. Perante um Clube do Chibuto de muitas tremedeiras e pouca clarividência, os actuais detentores do título “espetaram” o claro 5-2 a uns guerreiros que dormiram na hora do trabalho.

A passagem tranquila do Costa do Sol aos quartos aconteceu numa partida que teve um pouco de tudo: muitos golos (sete) como há muito não se via, emoção causada por estes (golos), alguns excessos dos adeptos da casa, sobretudo no intervalo, e erros à mistura, particularmente da defesa do Chibuto que das vezes que tentou colocar os adversários em posição de fora de jogo errou no “timing”, facto aproveitado por uns “canarinhos” que mostraram uma eficácia no aproveitamento de desacertos contrários.

Num jogo que iniciou mastigado o Costa do Sol foi quem mais procurou ser feliz, com Isac a ter nos pés a primeira oportunidade (8’) mas isolado, pela tentativa falhada de forçar fora de jogo por parte dos defensores guerreiros, acabou rematando para a defesa de Nguenha. Um aviso de ataque anunciado que os guerreiros não deram a importância necessária e 10 minutos depois, num outro erro de posicionamento, Chawa marcou contra a antiga equipa.

Mas nem o golo acordou o Chibuto que continuou sem conseguir melhor circulação do esférico e a cometer muitos erros, situação aproveitada pelo Costa do Sol, que sem precisar de jogar muito controlava a partida, perante um Chibuto que só à entrada da metade da primeira parte é que voltou a agigantar-se um pouco à semelhança dos minutos iniciais, mas estranhamente atacava com tremedeiras inexplicáveis. Exemplo disso foi o incrível insucesso de Yannick, que isolado diante de Guirrugo, falhou o alvo em dois momentos, ambos com defesas do guarda-redes “canarinho”. E porque quem não marca sofre, mais uma tremedeira inexplicável, desta feita de Nhabanga, permitiu que a bola ficasse com Sibale, que não perdoou, elevando a contagem para 2-0 aos 41 minutos.

 

Leia mais...