Sem medo de voltar aonde já foi feliz…

Na vida há gente com todas qualidades e medos. Há quem quando olha para um obstáculo prefere enfrentá-lo, outros optam por contorná-lo. Sérgio Faife Matsolo é daqueles que enfrentam obstáculos com coragem, porque não aceita ser comandado pelo medo. Pensa que quando permitimos que o medo nos detenha podemos ficar paralisados e, sem querer, deixarmos escapar os nossos objectivos.
E praticamente, sem pestanejar, menos de duas semanas depois de ter rescindido com o Desportivo saltou da Pedreira para as bandas de Matsapue, mesmo conhecendo o histórico da rivalidade dos adeptos, que roça à intolerância, aceitou o convite para regressar ao Ferroviário de Nacala, onde já foi feliz, não se importando com a máxima segundo a qual não “podemos
voltar ao sítio onde fomos felizes”, por se acreditar, ao contrário de Faife, que voltar a um lugar onde já fomos muito felizes leva a que queiramos repetir o irrepetível.
Leva a que nos apeteça construir uma nova história que deixará de fazer sentido precisamente porque já nada poderá ser como dantes. Ou, mesmo que se volte ao lugar e se tente escrever
uma nova história, ela estará sempre toldada pela anterior e pela expectativa e exigência da excelência.

 

Leia mais...