Moçambique continua no meu coração

Há cerca de ano e meio, o Governo moçambicano obrigou o técnico português Diamantino Miranda a abandonar o país, por considerar injuriosas e ofensivas as suas declarações, revogando a licença de trabalho, que ainda carecia de autorização. Recorde-se que as declarações de Diamantino foram proferidas no final de uma partida do Moçambola-2013, entre o Costa do Sol, treinado pelo português, e o Vilankulo FC.

Após o despacho governamental, Diamantino Miranda, que segundo ele esteve envolvido numa discussão com jornalistas após a referida partida, pediu desculpas à nação, embora tal manifestação de arrependimento não fosse suficiente para demover a decisão de ele abandonar o país. Apesar de tudo, Diamantino não esconde, de acordo com as suas recentes declarações ao desafio, a vontade de ver revogada a decisão tomada pelo Governo e poder regressar a Moçambique.

É tudo o que tenho desejado todos os dias desde que deixei Moçambique a 12 de Outubro de 2013. Nunca consegui livrar-me da mágoa depois de tudo o que aconteceu. Moçambique continua no meu coração. Em Maputo sentia-me completamente inserido na vida social e cultural dos moçambicanos. Mesmo com as poucas diferenças, posso dizer que vivia como o mais comum dos moçambicanos. São testemunhas de tudo o que digo aqueles que trabalhavam comigo e também os que, fora do futebol, conviviam diariamente comigo, disse Diamantino. 

(Acompanha a entrevista na sua íntegra no jornal impresso.)