Corríamos o risco de dormir na rua

– Abdul Hanane, presidente do Benfica de Nampula
O presidente do Benfica de Nampula, Abdul Hanane, disse 
ao desafio que se a equipa tivesse conseguido transporte para se deslocar ao Lichinga, Niassa, corria riscos, porque não tinha dinheiro para a hospedagem e alimentação.
– Tínhamos de dispor de mais de cem mil meticais para viajar.
Pedimos apoios para o transporte e não nos concederam, mas poderia ter surgido uma abertura. Mas se tivéssemos conse-guido podíamos correr o risco de dormir na rua e não comer, afirmou Hanane, que ainda disse que de Nampula a Lichinga são dezoito horas de viagem e percurso é feito numa estrada péssima, disse.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Opinão

Publicidade