Ferroviário e Desportivo revalidam título

À entrada da segunda jornada ficava claro que, como tem acontecidos nos últimos anos, o Ferroviário e o Matchedje todos de Maputo protagonizariam o duelo do título masculino. Os “locomotivas”, que conquistaram seu terceiro título consecutivo, estiveram melhor na primeira jornada tendo indo a segunda com 11 pontos de vantagem (43-32), diferença que foi gerida na derradeira jornada acabando por somar ao todo 75 pontos só mais dois que os “militares”, que ficaram em segundo, com 73. Por seu turno, o Ferroviário da Beira de Kudzanai Alberto somou 43, em terceiro, a UP Maputo comandada por Alberto Mamba, 42, em quarto, Mahotas, nove em quinto e em último Niassa, com três.

Como era de esperar em feminino o quarteto (Sílvia Panguana, Ofélia Milambo, Ilda e Júlia Cossa) de luxo do Desportivo mandou nas estafetas e nas provas de velocidade – Sílvia ganhou tudo – terminando o evento com 66 pontos e desta forma somar o segundo título consecutivo. E quando é assim ao Ferroviário de Maputo só resta, mais uma vez, contentar-se com o segundo (42) e o Matchedje com o terceiro (23).

MELHORIAS DE MARCAS NAS PROVAS TÉCNICAS

Nos “Nacionais”notaram se algumas melhorias das marcas nas provas técnicas ao contrário das outras, com Filipe Chaimita a destacar-se ao conseguir fazer 66,16 metros no lançamento de dardo bem distante dos cerca de 52metros que Domingos Doliz vinha fazendo nos últimos anos. No peso Chaimita conseguiu igualmente uma marca que merece realce 12,32metros. Aliás, este jovem foi quem mais contribuiu para o Matchedje ser segundo, pois ainda ganhou 200metros (22.08) a frente do seu colega Dinis Mavie, que por seu turno, venceu nos 100 (11.01’). Outro destaque de masculinos vai para Creve Machava que esteve melhor nos 400 planos (47.51) e barreiras (53.82) e Mamba vencedor dos 1500 (3.53.91) e 800 (1.51.05).

Em femininos individualmente destaca-se Salomé Mubabe pelo recorde no lançamento de disco em que fixou o novo máximo em 15.55 metros melhor que os 14.98 que fez há dois anos. Para além disso venceu no disco (39.68metros), mas quem venceu maior número de provas foi Sílvia, designadamente100 (10.75’), 200 (25.55’), 110 (12.75’) e 400 barreiras (64.29’).

Filipe Chaimita e Salomé foram considerados como os melhores atletas do evento.

Atanásio Zandamela/Luís Muianga