I INTERNACIONAL

Cardozo bisa

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

As equações são sempre fáceis de resolver quando há pouco visitante, neste caso o Vitória de Guimarães, e o Benfica do costume. Houve pouco atrevimento nos minhotos e a consciência do 

outro lado que, mais tarde ou mais cedo, tudo iria acontecer a seu favor. Fosse Salvio, Ola John, Cardozo, Lima ou outro qualquer o primeiro golo iria acontecer e a partir daí tudo poderia ficar mais fácil. 

Daí aos 3-0 era uma recta e era só acelerar. O Benfica sai da partida colado ao FC Porto e a única má notícia foi a expulsão de André Gomes, a segunda consecutiva, num sector algo debilitado. 

Jorge Jesus aproveitou o regresso de Carlos Martins e entregou-lhe a missão de levar a equipa para o ataque. De Barcelos manteve a ala esquerda, com Luisinho e Ola John, e mexeu na direita e no meio, onde não havia Enzo Pérez para encaixar por se encontrar castigado. Salvio voltou para a sua posição natural e no miolo Martins só podia substituir André Gomes, que começou no banco.
Os encarnados foram dinâmicos sempre que Carlos Martins teve confiança e físico para levar a equipa para a frente, mas também de todas as vezes que Salvio disse presente com diagonais para a área e cruzamentos, e Maxi fez questão de o acompanhar de perto. Luisinho e Ola John tentavam o mesmo na esquerda, mas a um ritmo diferente, menos explosivo. Tudo somado, o conjunto de Jesus teve momentos em que jogou quase todo em cima da área de Douglas. Depois, havia o resto: muitas pernas por ultrapassar até chatear o guarda-redes contrário. Aí, as coisas não estavam a correr muito bem.

ARTUR FUNDAMENTAL

O Vitória de Guimarães tentou esperar pelo erro. Algum apetite a mais no rival, um erro na transição para a defesa, um jogador fora de posição e, aí sim, podia tentar ameaçar Artur. A primeira grande oportunidade pertence-lhe, aos 33 minutos, quando Luisinho somou a terceira má intervenção (antes, duas perdas de bola inacreditáveis no meio-campo do rival, que originaram contra-ataques perigosos) da noite e se esqueceu de Toscano nas costas. O guarda-redes do Benfica saiu dos postes e defendeu com as pernas, evitando muitos dissabores à sua equipa.

Era pouco, no entanto, para os minhotos. Sem a capacidade de manter à distância os encarnados, sentia-se que o aumentar da pressão iria dar em golo mais cedo ou mais tarde. E deu mesmo, ainda no primeiro tempo. Ola John não quis forçar a ida para a linha, fletiu para o meio e cruzou para um Cardozo estático, que só teve de cabecear para o lado esquerdo de Douglas.

OUTRA VEZ NÃO, CARLOS!

Pouco depois, Carlos Martins começou a pedir aos colegas para não lhe passarem a bola e Jesus a dar ordens a André Gomes para forçar o aquecimento. O internacional português sairia antes do intervalo já sem fazer novo sprint.

A segunda parte começou praticamente com a jogada do 2-0. Ola John novamente pela esquerda, com a cruzamento a fugir da baliza e Salvio a perceber antes de todos onde a bola ia cair e a correr como um louco. Ao passar por Addy caiu. E o árbitro João Ferreira não teve dúvidas. Passa-se tudo muito rápido e é impossível perceber de cá de cima se Addy toca mesmo no argentino. Quem não quis saber foi Cardozo, que não teve dificuldades em enganar Douglas no penalty. 

O resultado estava feito e muito dificilmente ficaria por aqui. Cardozo ameaçou aos 58 e Lima fez mesmo o 3-0, aos 67 minutos. O paraguaio isolou o brasileiro com a ajuda de Ndiaye e este fuzilou Douglas com o pé esquerdo.

Antes do fim, aos 79 minutos, surgiu a expulsão de André Gomes. Uma entrada fora de tempo sobre Leonel Olímpio valeu-lhe o vermelho direto. A decisão de João Ferreira pode ter sido um pouco pesada, tantas são as entradas assim um pouco por todo o lado (ou seja, o amarelo também estava bem), mas pelo jovem só pode ser encarado com mais uma dor de crescimento.

Publicidade
Subscreve se no Jornal Digital

Moçambola 2019

Pos Equipe J V E D GC GM Pts DP
1. C. do Sol 30 20 6 4 25 56 64 +31
2. UD Songo 30 19 3 8 29 47 59 +18
3. Fer. Maputo 30 13 9 8 22 34 43 +12
4. Fer. Beira 30 12 9 9 25 34 43 +9
5. Fer. Nacala 30 12 5 13 31 28 40 -3
6. ENH 30 10 11 9 30 29 37 -1
7. LD Maputo 30 11 7 12 36 30 37 -6
8. Textafrica 30 11 7 12 30 22 37 -8
9. Des. Maputo 30 10 10 10 29 35 36 +6
10. Incomáti 30 10 10 10 31 29 36 -2
LD Maputo 5 : 4 Des. Maputo
Têx. Púnguè 1 : 1 Nacala
B. de Pemba 1 : 2 ENH
Chibuto 1 : 0 UD Songo
Fer. Nacala 1 : 0 Fer. Beira
Fer. Nampula 2 : 1 C. do Sol
Maxaquene 1 : 0 Fer. Maputo
Textafrica 1 : 1 Incomáti

Director: Almiro Santos
Chefes da Redacção:
Reginaldo Cumbana e Gil Carvalho

Desafio é um Jornal desportivo, produto da Sociedade do Notícias.

O Jornal esta disponível em formato físico impresso, o mesmo pode ser lido em formato electrónico.

Play Store

AppStore

SNLogo2

Propriedade da Sociedade do
Notícias, SARL
Direcção, Redacção e Oficinas
Rua Joe Slovo, 55 • Cx.Postal 327
E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
( Tel's: 21320119 / 21320120 )
Topo
Baixo