Jojó, Stélio, Nando, Eusébio e Gerson à porta do Chiveve

Jojó, Stélio, Eusébio e Gerson são alguns dos nomes associados aos locomotivas do Chiveve.

Ficou claro que o Ferroviário da Beira não engoliu as saídas de Amorim e

Chelito, confirmados no Songo, sobretudo o primeiro, que foi formado naquela colectividade, daí que reivindica os direitos pela formação quando o jogador já deu dois anos de sénior, depois de transitar dos juniores.

Não se apegando apenas a esse problema, o Ferroviário da Beira quer acima de tudo apagar a imagem pálida deixada no ano passado, reformulando a equipa, mas fugindo um pouco a cultura que adoptava em anos anteriores: a aposta na maioria dos jogadores formados no clube.

Nesta viragem de atitude, o Ferroviário da Beira tem à sua porta jogadores bastante experientes. O avançado Jojó e o defesa Stélio, que foram campeões pela UD Songo, são prováveis reforços do clube do Chiveve, representante da província de Sofala na alta-roda do futebol nacional. O lateral esquerdo Eusébio (ex-Liga Desportiva), que chegou a ser dado como certo no Songo, pode ser um dos reforços dos campeões nacionais de 2016. O outro jogador que evoluiu na Liga apontado ao Chiveve é o meio-campista experiente Nando César.

No Costa do Sol, Gerson Massango foi capitão numa equipa que conquistou a Taça de Moçambique. Os canarinhos não renovaram com o jogador e de jogador livre pode ver a sua vida futebolística a renascer no Chiveve.

Além das saídas de Amorim e Chelito, o veterano Cufa pode estar de saída, ou seja, pode reformar e estar ligado ao Departamento de Futebol do clube. Saem também do Ferroviário da Beira aquele que era o terceiro guarda-redes, Luís, Marcos, Gervásio e o zimbabweano Feremba.

 Joca Estêvão