Africanos com sortes diferentes na estreia

Em jogo da primeira jornada do grupo “C”, o Costa do Marfim bateu o Japão, por 2-1 e está igualado a Colômbia na liderança deste agrupamento, com três pontos.

Numa partida que se aguardava com alguma expectativa face ao grau de competitividade das duas selecções, foi o Japão quem entrou melhor na Arena de Pernambuco. A selecção comandada por Alberto Zaccehroni beneficiou da inspiração de Honda e da apatia generalizada dos marfinenses no começo da partida.

Assim, o médio do AC Milan inaugurou o marcador aos 16 minutos, com um grande pontapé já dentro da área, na sequência de uma boa jogada do ataque nipónico.

Era o corolário da superioridade asiática, que ainda se manteve por mais alguns minutos. Só a partir dos 25 minutos é que a Costa do Marfim despertou na partida. A subida de ritmo aproximou os africanos da baliza, muito por culpa das acções individuais de Yaya Touré e Gervinho e de alguns livres a colocar Kawashima em sentido.

Da Entrada em cena de Drogba a reviravolta

No entanto, a reacção "a sério" dos Elefantes só chegaria na segunda parte e com a entrada em cena de um velho senhor do futebol mundial: Didier Drogba. O avançado do Galatasaray que saltou do banco veio agitar o jogo e liderou a reviravolta marfinense perante um Japão cada vez mais "encolhido" e à defesa.

Com efeito, em três minutos a Costa do Marfim deu a volta, graças aos golos de Bony e Gervinho, aos 64 e 66, ambos de cabeça, para gáudio do seleccionador Sabri Lamouchi.

Os Elefantes dominavam agora por completo o jogo e controlaram com segurança e solidez a tentativa de reacção nipónica, assegurando o triunfo na sua estreia nesta edição do Mundial.

A Costa do Marfim, que cumpre a terceira presença consecutiva no Mundial e procura a primeira presença nos "oitavos", igualou na liderança do agrupamento a Colômbia, que, no outro jogo, venceu a Grécia, de Fernando Santos, por 3-0.

Ficha técnica:

Estádio: Arena Pernambuco, no Recife. EFE

Árbitro: Enrique Osses (Chile), auxiliado por seus compatriotas Carlos Astroza e Sergio Román.

Acção disciplinar: Cartões amarelos: Bamba e Zokora (Costa do Marfim); Yoshida e Morishige (Japão).

Golos: Bony e Gervinho (Costa do Marfim); Honda (Japão).

Costa do Marfim, 2: Barry; Aurier, Bamba, Zokora e Boka (Djakpa); Tioté, Die (Drogba) e Yaya Touré; Kalou, Gervinho e Bony (Ya Konan). Técnico: Sabri Lamouchi.

Japão, 1: Kawashima; Uchida, Morishige, Yoshida e Nagatomo; Hasebe (Endo), Yamaguchi, Honda e Kagawa (Kakitani); Okazaki e Osako (Okubo). Técnico: Alberto Zacheroni.

Vitória merecida, fomos melhores

 

- Sabri Lamouchi, seleccionador do Costa do Marfim

 O seleccionador da Costa do Marfim, Sabri Lamouchi, considerou justa a vitória sobre o Japão e diz que dá confiança para os próximos jogos.

- Acho que a vitória foi merecida. Fomos melhores durante todo o jogo. Começar a competição a vencer é algo muito significativo. Felizmente conseguimos. Dá confiança para os nossos jogadores se prepararem para enfrentar os próximos adversários, afirmou o técnico de nacionalidade francesa.

Camarões perde na estreia 

Os Camarões estrearam-se com uma derrota (1-0) ante México numa partida em que não fosse a invalidação pelo árbitro Wilmar Roldán de dois golos limpos de Giovanni dos Santos,o resultado poderia ter sido pior para os africanos.

Aos onze minutos de jogo, começa a controvérsia. Aguilar faz um excelente cruzamento da direita e Giovanni dos Santos encosta com classe, mas a equipa de arbitragem resolve anular o lance por fora-de-jogo. As repetições mostram claramente que o golo devia ter sido validado.

Apenas dezoito minutos depois, a história repete-se. Canto para o México e dos Santos cabeceia para o fundo das redes camaronesas. A bandeira é novamente levantada e a confusão está instalada: o jogador mexicano não parece estar fora-de-jogo e, de qualquer forma, é um jogador dos Camarões que desvia a bola para Giovanni dos Santos.

Os jogadores do México foram para o intervalo desiludidos com o desempenho da equipa de arbitragem, mas voltaram com a mesma vontade de marcar. O golo apareceu, novamente, aos 61 minutos. Desta vez, foi validado por Wilmar Roldán. A defesa camaronesa dá espaço a Herrera que lança Dos Santos para a área mas Itanje defende o primeiro remate. Na recarga, Oribe Peralta aparece para encostar o primeiro golo (validado) da selecção mexicana neste Mundial. Foi o nono golo de Peralta pela selecção mexicana nos últimas sete partidas oficiais que disputou.

A selecção dos Camarões procurou o empate mas não conseguiu bater o guarda-redes mexicano. Aos 91 minutos de jogo, Moukandjo cabeceou para uma excelente defesa de Ochoa.