Espanha é a selecção mais cara do Mundial

A partir desta quinta-feira, 12 de Junho, o Brasil será o país de maior evidência. Com o início do Campeonato do Mundo de 2014, os mais valiosos jogadores vão desfilar as suas habilidades pelos campos. Cada um deles carrega um número, não o que está na parte de trás das suas camisas, mas os seus valores de mercado.

Num futebol cada vez mais globalizado e milionário, o GloboEsporte.com fez um levantamento com todos os 736 atletas convocados, usando como fonte o site especializado Transfermarkt, que avalia a quantia mínima estipulada para a contratação.

O preço real, dependendo do jogador, pode ser bem superior, como aconteceu recentemente com o defesa brasileiro David Luiz, negociado pelo Chelsea com o Paris Saint-Germain por € 50 milhões - segundo a página consultada, ele não passa dos € 26 milhões. Somando-se todos os 23 de cada equipa, chegou-se, pois, a um resultado final. E, dentre as selecções, é a actual campeã Espanha a mais valorizada, seguida por Alemanha e Brasil. E com uma intrusa entre os seis primeiros: a Bélgica.

Os 23 comandados do técnico Vicente del Bosque equivalem a € 622 milhões. Mais de € 50 milhões à frente da vice-líder Alemanha (€ 562 milhões). Em busca do “hexa”, o Brasil, com € 467 milhões em jogadores, completa o pódio. A grande surpresa do top-10, no entanto, é a Bélgica. Sensação nas eliminatórias europeias, o país vai ao Mundial com uma equipa jovem e promissora. Valendo € 348 milhões, os belgas aparecem em 6.º lugar na lista, superando três campeões mundiais: Inglaterra, Itália e Uruguai. A explicação passa pelo alto número de atletas na Premier League (11), considerado por muitos o melhor torneio nacional de clubes do mundo.

LIONEL Messi vale

mais do que 15 seleCções

Entre os jogadores, a estrela da companhia é o argentino Lionel Messi, avaliado em € 120 milhões. Sozinho, o craque do Barcelona e camisa 10 do maior rival do Brasil vale mais do que 15 selecções que vão disputar o Mundial. Mesmo o dono do prémio de Melhor Jogador do Mundo em 2013, o português Cristiano Ronaldo, aparece em segundo na lista (€ 100 milhões). Os dois, é claro, também figuram no que poderia ser a selecção mais valiosa, assim como os brasileiros Marcelo, Thiago Silva e Neymar. De todos os convocados, aliás, apenas dois não foram avaliados pelo Transfermarkt: casos do camaronês Cedric Djeugoue e o marfinense Sylvain Gbohouo.

 

Analisando os números grupo a grupo, no “A” (do anfitrião) México é o pior entre eles (21.º), enquanto a Croácia aparece em 12.º e Camarões é o 18.º. O mais equilibrado é o Grupo “C”, que tem a Colômbia, Costa do Marfim, Japão e Grécia. A diferença entre o mais e o menos valioso é de € 110 milhões. Já o grupo mais difícil é o“D”, que apresenta Inglaterra, Itália, Uruguai e Costa Rica. São três selecções no top-10 das mais valiosas e com mais de € 200 milhões em jogadores cada.

Curiosidades

- Bélgica (6.ª) é a primeira selecção da lista que nunca foi campeã. Está à frente de outras que já levaram a taça, como Inglaterra, Uruguai e Itália.

- O actual melhor do mundo, Cristiano Ronaldo (100 milhões de euros), equivale 1/3 da selecção de Portugal.

- Sozinho, Messi (120 milhões de euros) vale mais do que 15 selecções do Mundial.

- Os jogadores mais baratos de Espanha valem 10 milhões de euros, nomeadamente Reina, Xavi e David Villa.

- A maior ausência no Mundial é o colombiano Falcao, que é avaliado em 60 milhões de euros.

- O inglês Frank Lampard (dois milhões de euros) e o italiano Buffon (cinco milhões) são os mais baratos das suas selecções. Klose, que se pode tornar no melhor marcador da história dum Mundial, vale apenas um milhão. Ou seja, nem sempre o preço equivale à importância do jogador, principalmente quando a idade é avançada.

- Dos 736 jogadores convocados, apenas dois não foram avaliados pelo site Transfermarkt: casos do camaronês Cedric Djeugoue e o marfinense Sylvain Gbohouo.

- Alemães lideram a lista de treinadores no Mundial, com cinco representantes. Portugueses, argentinos, colombianos e italianos vão orientar três selecções. Juntos somam 18 nacionalidades e variam entre os 42 e os 67 anos.

- O seleccionador da Rússia, Fabio Capello, será o decano do certame, com 67 anos, e fará 68 ainda no decorrer da fase de grupos (no dia 18 de Junho, um dia depois de defrontar a Coreia do Sul).

- O francês que orienta a Costa do marfim, Sabri Lamouchi, com 42 anos, será o mais novo do Mundial, mas apenas por escassos 25 dias em relação ao alemão Niko Kovac.

Gana é a selecção

mais nova do Mundial

Com a presença do guarda-redes Fayd Mondragón, de 42 anos, a Colômbia possui o elenco mais velho do Mundial, com média de idade de 28,6 anos. O valor é pouco superior aos números da Argentina, 28,5, e do Irão, 28,4, que ocupam o segundo e terceiro lugar, respectivamente. O levantamento foi realizado pelo jornal gaúcho “Zero Hora”, que reuniu curiosidades da competição deste ano. A selecção brasileira é uma das mais jovens, com média de 26,7 anos, sendo a 19.ª mais velha das 32 equipas. 

A equipa mais jovem do Mundial é Gana, com 24,9. O técnico Kwesi Appiah chamou apenas um jogador acima dos 30, o médio Essien, do Milan.

O jogador mais novo Mundial é Fabrice Olinga, dos Camarões, que tem completos 18 anos. O jogador com mais idade é justamente o colombiano Fayd Mondragón, que disputou o Mundial de 1994 e que será o mais velho a disputar uma edição caso entre em campo, já que faz 43 anos no dia 21 de Junho. Assim, superaria o camaronês Roger Millar, que em 1994 enfrentou e marcou um golo na partida contra a Rússia, com 42 anos e 39 dias.

O jornal ainda destaca o facto de cinco brasileiros defenderem selecções estrangeiras: Eduardo e Sammir (Croácia); Pepe (Portugal), Thiago Motta (Itália) e Diego Costa (Espanha).

Espanha paga 30 milhões de mt

pela revalidação do título

Os capitães da selecção espanhola de futebol acertaram que os 23 jogadores que estarão no Mundial-2014, assim como a equipa técnica, vão receber 720.000 euros (cerca de 30 milhões de meticais) em caso de revalidação do título conquistado há quatro anos na África do Sul.

De acordo com a notícia avançada pela agência EFE, que cita a rádio Cope, se Espanha voltar a sagrar-se campeã do mundo, cada um dos elementos de “La Roja” vai receber 720.000 euros, um valor recorde, superior em 120.000 euros ao recebido com o título de 2010.

Caso sejam finalistas, os espanhóis recebem cada um 360.000 euros, um valor reduzido para metade caso fiquem nas meias-finais.

Depois de conhecidos os valores, o internacional Juan Mata pediu que estes não sejam utilizados contra os jogadores.

“Penso que é verdade que, às vezes, utiliza-se este tema contra nós, mas eu vou jogar o Mundial com a ilusão que tenho desde criança e não penso no resto. Se o público o fizer, não o podemos controlar”, disse.

Os espanhóis estreiam-se na prova, sexta-feira, frente à Holanda, no encontro que reedita a final de 2010.