Leões do Norte derrapam na sua própria florest

Júlio Paulino
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Foto de Luís Massalo
 

O Sporting de Nampula, que se encontra posicionado na “cauda” da tabela classificativa do Moçambola 2018, só pode se queixar de si próprio, ao oferecer de bandeja os três pontos ao Ferroviário de Maputo, em resultado de uma derrota caseira por 0-2, no jogo inaugural do treinador Usaras Mohamed, que substitui Danito Nhampossa. Com um campo sem muitos espectadores, quase incomum quando se trata de jogos dos leões do Norte, o Sporting de Nampula teve quase tudo para não deixar fugir os três pontos, pese embora tenha se assitido a uma partida equilibrada. Nos minutos iniciais do jogo as duas equipas entraram em campo meio apáticas, quiçá ninguém queria arriscar à entrada, mas com o tempo o Ferroviário de Maputo foi crescendo. Volvidos seis minutos o locomotiva Kelo beneficiou de um passe dum dos seus colegas e pisou no acelerador, deixando todos defesas atrás e já num frente-a-frente com Ró empurrou a bola para o fundo das malhas, abrindo o placard.
Mesmo com este golo o espectáculo continuou de pessíma qualidade e sem jogadas de realce, ainda que o Sporting tentasse correr atrás do prejuízo, tentando procurar caminhos que levassem à baliza contrária. O jogo ganhou outro impacto, depois de 20 minutos com os donos da casa assim como os fosteiros a terem oportunidades soberanas de fazer golos, mas a pontaria dos seus atletas estava desafinada. A título de exemplo, quando estavam jogados 27 minutos Sankannhe, do Sporting de Nampula, organizou com perfeição uma jogada, fez um passe para um dos colegas, este cruzou e Jonas fez-se de cabeça e a bola passou a escassos milímetros do travessão. O leões foram insistindo. Sankanhe recebeu a bola através de um passe longo, e com a baliza defendida por Chico totalmente escancarada bateu a menina e esta deslizou para o fundo das malhas, mas um dos defesas esticou a perna e limpou a jogada, para a marcação do canto. A bola foi rolando até aos primeiros 45 minutos. No reatamento o jogo teve outro aspecto, caracterizado por muita velocidade, sobretudo por parte dos atletas do Ferroviário de Maputo, mas a bola circulava no meio-campo e das poucas vezes que estes visitavam a área contrária as bolas saíam sem perigo para golo. O Sporting acordou e empurrou o seu adversário para o reduto mais recuado, mas estes cometiam muito erros de palmatória. Foram feitas subsituições mas apenas para os visitantes é que houve satisfação. Mário, que acabava de entrar, foi oferecido erradamente uma bola na pequena área e sem esforço bateu o guarda-redes leonino, ampliando o marcador, resultado com que se foi até ao apito final.

leia mais...