Guerreiros enérgicos mas não certeiros!

Nalgumas vezes foi pelo próprio mérito da defensiva, que resistiu às intentonas dos “guerreiros”, senão do próprio guarda-redes Nando, noutras por falta de arte de marcar. 

Se é verdade que os donos da casa estiveram melhor que o adversário, também não é menos certo que escaparam a alguns golpes, por falta também de mestria dos seus atacantes em situações em que o Chibuto foi encontrado em contrapé nas suas subidas em massa para o meio-campo adversário à busca de soluções de golo

Essas situações conferiram alguma espectacularidade ao jogo, embora o público não se tenha conformado com a falta de habilidades para o golo em ambas partes, a ter em conta as oportunidades que cada um teve ao longo do prélio. Mas como dissemos os “guerreiros” foram os mais dinâmicos em termos de acção ofensiva e procuraram incansavelmente o golo que não apareceu até ao apito final.   

No entanto, a primeira parte foi menos produtiva em termos de acção ofensiva, embora o Chibuto tenha procurado imprimir alguma dinâmica ao seu jogo, mas sem o ritmo suficiente para dar maior vivacidade às suas jogadas de ataque perante um Desportivo de Nacala apático e que revelou algumas insuficiências para sair da sua zona a jogar. Foi uma equipa mais defensiva perante a manifestação, embora sem maior incidência, do Chibuto em chegar o mais cedo possível ao golo. 

Salvador Nhantumbo&Jaime Machel