Não-alinhado por convicção

– Posso traduzir esta circunstância da seguinte forma: na verdade, neste momento, não sei para onde vou, mas sei para onde não quero ir, embora algumas portas ainda possam ser reabertas. Essas dependerão da resolução de questões ainda pendentes do passado. Outras, definitivamente, não.

– O que terá contribuído para agudizar a aversão de algumas pessoas em relação a si no Songo?

– Durante os dois anos em que estive no Songo fui tomando algumas posições, com as convicções que me caracterizam. Esses factores foram determinantes para que eu não continuasse. Sou um não-alinhado por convicção. Não faço alinhamentos com nada, nem com ninguém, muito menos com o sistema. Usei os tempos de antena de que dispôs para enviar mensagens à oposição local (hoje poder instituído), que pretendiam pôr em causa o nosso profissionalismo, usando métodos subversivos.

Joca Estevão/ Domingos Elias

 

LEIA A ENTREVISTA COMPLETA NO JORNAL IMPRESSO