Moçambique enfrenta Egipto amanhã

que vai decorrer, em Kitwe, Zâmbia, entre os dias 6 e 16 de Dezembro.  O desafio está marcado para as 14.30 horas.

Embora não tenham sido reveladas as razões da alteração do calendário competitivo por parte da organização, entende-se que tal facto foi algo premeditado para permitir que a África do Sul pudesse ganhar algum tempo “espiando” os seus adversários.

O combinado nacional que se encontra no Grupo “B”, só jogará com a África do Sul neste sábado (dia 7 de Dezembro), num encontro que irá acontecer no Estádio Nkana. Dois dias depois, os treinados de Arnaldo Ouana, técnico nacional, irão medir forças com a selecção das Maurícias. Sendo este o último jogo referente a fase de grupos.

Moçambique que se encontra naquele que é tido como o grupo de “morte” (África do Sul terá que suar as estopinhas para conquistar os três pontos diante da equipa faraónica (Egipto), que participa no torneio na qualidade de convidada.

Reagindo em relação a alteração do calendário, Arnaldo Ouana, técnico dos Mambinhas disse ao desafio que todos os adversários são respeitáveis, contudo nada impedirá que o seu conjunto entre na competição para lutar dos objectivos a que se propôs a alcançar.

– Percebemos que há uma intenção clara de beneficiar a África do Sul, dando mais tempo para a equipa repousar. Estamos cientes dos adversários que teremos pela frente. Estamos nesta para dar o melhor de nós e conquistar a Taça,anotou o treinador.

O timoneiro explicou ainda que apesar de algumas baixas havidas, o seu grupo de trabalho conseguiu reunir os jogadores que poderão ser dignificar o país neste torneio. Ouana disse ainda que os erros do passado, de certo modo, serviram para limar as arestas e construir um conjunto sólido e ganhador, acreditando que já estão criadas as condições para se formar um grupo que seja o garante do futuro da selecção principal.

Confira a seguir os 20 atletas seleccionados para representar Moçambique nesta prova.

Guarda-redes Victor Gumbe e Ernan Siluane; os defesas Nelson Mendonça, Fernando Chambuco, Alberto Wate, Alberto Matsimbe, Igor Lobo, Mathauze Machiza, Joaquim Macuácua e Jorge Machava; os médios Edilson Tivane, Geny Catamo, Kamo Kamo Cumbane, Alídio Maxavela, Meisel Amade e Orlando Dlhamine; e os avançados Hermenegildo Capena, Ocazias Nhaca, Fabião Seie e Adinan Lourenço.

Texto de Raimundo Zandamela, em Kitwe