Moçambique estreia-se com derrota na COSAFA

Depois de dois anos de ausência em competições internacionais, Moçambique regressa às actividades, após ver levantada a suspensão imposta pela Confederação Africana de Futebol (CAF).

Recorde-se que em 2013, a nossa selecção esteve impedida de participar em todas as competições internacionais, em virtude de ter averbado uma falta de comparência num jogo que deveria ter acontecido no Quénia, referente às eliminatórias do CAN de Argélia.

A participação de Moçambique neste evento constitui um momento únicopara o combinado nacional resgatar o seu nome e apagar as más memórias tidas ao longo das suas participações. Aliás, esta tem sido a posição defendida pela equipa técnica moçambicana.

Crença e motivação no grupo

Felizarda Lemos, técnica principal e que trabalha igualmente como coordenadora para o futebol feminino no Gabinte Técnico da Federação Moçambicana de Futebol (FMF), disse à nossa reportagem que a FMF e alguns clubes têm trabalhado conjuntamente na promoção contínua do futebol feminino, através de alguns programas que foram desenvolvidos para o efeito.

– É uma alegria para nós poder regressar às competições depois de largos anos inactivos. Apesar de termos tido poucos dias de treinos a equipa deu-nos sinais positivos, a avaliar pela motivação e a força de vontade apresentada pelas atletas. Refira-se que a viagem que fizemos de Maputo para Bulawayo desgastou bastante as atletas, daí que tivemos de fazer alguns exercícios de aquecimento com vista a recuperar as mesmas - explicou “coach” Fifi, como é carinhosamente tratada.

Lembre-se que em 2012 Moçambique ficou por terra nas eliminatórias de acesso ao Campeonato Mundial de Futebol Feminino Sub-20, que teve lugar no Japão, ser afastada precocemente pelo Zimbabué.

Selecções notáveis e até com um histórico em participações em campeonatos do mundo como é o caso da poderosa Nigéria, Gana, Camarões e África do Sul entraram para a corrida.

Devido a uma série de problemas logísticos e técnicos, o Comité Executivo da FIFA, durante a assembleia de 16 e 17 de Dezembro de 2011 em Tóquio, não teve outra opção que não fosse a exclusão do Uzbequistão como sede do Campeonato Mundial de Futebol Feminino Sub-20.

 

Resgatar a nossa auto-estima

– Célia, capitã da selecção

– O regresso da selecção constitui enorme alegria para todas nós. Jogo pela selecção há dois anos e isso é gratificante para mim em particular. Foi triste ter de parar de competir por dois anos. Estamos aqui para conquistar vitórias e resgatar a nossa auto-estima. Temos adversárias respeitáveis no nosso grupo, mas isso não nos inibirá de mostrar o nosso potencial. Espero dar o meu contributo transmitindo a experiência acumulada ao longo destes anos. Estou confiante que teremos uma selecção promissora.

 

Quero marcar golos

e ajudar a minha equipa

– Ninica, jogadora da selecção

– Espero poder dar o meu contributo ajudando a selecção em todas as frentes em que estiver envolvida. Fico feliz pelo regresso às competições. Viemos para ficar. É preciso consciencializar a sociedade que a mulher não deve ser vista apenas como doméstica, aquela que simplesmente cozinha. Temos talento e podemos chegar mais longe ainda. O grupo está unido e determinado a dar tudo pelo país.