Moçambique vence Malawi (5 -4) e apanha Botswana nas meias-finais

Na verdade, os Mambas denotaram muitas lacunas, desde a falta de interligação sectorial, que ficou mais pronunciada com a falta de um pensador do jogo, pois Kito não nos pareceu ser a pedra ideal, pelo menos no jogo de ontem, para ajudar a controlar a variação do jogo dos Mambas, que foi monótono e quase permitiu que estivéssemos perante um jogo de sentido único.

Com o golo quase madrugador, o Malawi sentiu-se na imperiosidade de correr contra o prejuízo e fê-lo com uma intensidade estonteante, não dando tempo aos moçambicanos para pensarem, subindo as suas linhas e remetendo-os a uma dura missão defensiva, escasseando, por isso, o jogo ofensivo dos pupilos de João Chissano, que viram Isac, a unidade mais adiantada, a não ser alimentado durante praticamente todo o jogo.

O 1-0 com que se foi ao intervalo castigava demasiado os malawianos, que produziram um grande caudal ofensivo, mas é preciso dizer que no meio da mediocridade da equipa moçambicana o sector defensivo estava impecável tanto nas alas (Norberto à esquerda e Edmilson à direita), bem acompanhadas pelos centrais Gerson e Chico, que fizeram um grande jogo, não espantando, pois, que o Man of The Match (homem do jogo) tenha sido Gerson, que chamou atenção não só pela exibição, mas também pelo seu look: um careca barbudo.

No reatamento, os malawianos mantiveram a pressão e os frutos não demoraram aparecer. Aos 49 minutos John Banda estoira de longe, mas o keeper César - que se tivesse sido a figura do jogo também não espantaria a ninguém - defendeu com categoria para canto. Na transformação, Sulumba desviou para o golo de empate, relançando o jogo.

O jogo prosseguiu e à beira do fim já tendia para o equilíbrio. Chegou-se, até, a pensar-se que o 1-1 prevaleceria até ao apito final e que a decisão seria aos penalties, mas o drama vinha aí. Num contra-ataque do Malawi o defesa Norberto derruba um oponente e árbitro entende que há lugar para penalty, superiormente convertido por Mzava, colocando o Malawi na dianteira. Estavam jogados 89 minutos.

A falta de fulgor com que Moçambique vinha abordando o jogo não dava crença aos moçambicanos e faltando um minuto o desespero foi total, mas Deus foi moçambicano e numa jogada rápida Kito descai pela direita e consegue um cruzamento rasteiro para a área de penalty, onde Isac aparece a meter o pé, desviando a bola para junto do segundo poste, repondo a igualdade.

Os três minutos de compensação concedidos pelo árbitro Pritchard Simanga, da Suazilândia, não mudaram o resultado, pelo que foi necessário recorrer-se às grandes penalidades para a decisão do adversário do Botswana nas meias-finais, que acabou sendo Moçambique, fruto de 5 penalties convertidos por Haji, Luís, Isac, Norberto e Ussama, contra quatro do adversário.

Interessa frisar que houve necessidade de uma segunda série de penalidades, pois na primeira as equipas empataram a três bolas, com Moçambique a falhar o alvo por Kito e Gildo, mas o guarda-redes César acabou sendo um verdadeiro herói, ao defender duas grandes penalidades, uma em cada série.

Com este triunfo, Moçambique vai defrontar o Botswana na quinta-feira, às 17.30 horas, no Moruleng Stadium, com os olhos postos na final. A rapaziada de João Chissano tem potencial para chegar à final e tudo certamente fará para honrar as cores nacionais, havendo a referir que nas últimas edições nunca estiveram tão perto da final como estão desta vez. Oxalá que não desperdicem esta diamantina oportunidade de fazerem história na Cosafa.

O seleccionador João Chissano, esse, não embandeira em arco e lembra mesmo que"nunca dissemos que vínhamos aqui para ganhar o título, embora estejamos dispostos a lutar por ele. Agora não vamos pensar na final, mas sim no nosso adversário das meias-finais. Sabemos que não vai ser fácil, como nunca foi fácil jogar com o Botswana, mas confio nos meus jogadores e sei que vão dar o seu melhor nesse jogo para que consigamos transitar para a final".

Boa sorte!!!

De referir que a outra-meia final vai ser entre Madagáscar e Namíbia, havendo a lembrar que os malgaxes eliminaram também ontem o Gana, com vitória por 2-1, enquanto que a Namíbia impediu a Zâmbia de tentar renovar o título, vencendo o por 5-4 aos penalties.

FICHA TÉCNICA

ROYAL BAFOKENG STADIM

ASSISTÊNCIA: cerca de 500 espectadores

ÁRBITRO:Simanga Pritchard Nhleko, da Suazilândia, auxiliado por  Souru Phatsoane, do Lesotho, e Romeo Kasengele, da Zâmbia. O quarto árbitro foi Norman Matemera, do Zimbabwe.

COMISSÁRIO DO JOGO: Issaskar Barry Rukoro, da Namíbia.

Acção disciplinar:cartão amarelo para Norberto.Golos deMalata (10 minutos, autogolo) e Isac (90 minutos), para Moçambique, Sulumba (49 minutos) e Mzava (89 minutos), para o Malawi.

MOÇAMBIQUE:César Machava; Norberto, Chico, Gerson e Edmilson; Momed Hagy, Diogo (Ussama), Kito e Witness (Gildo); Luís e Isac.

MALAWI: Harawa; Lanjesi, Mzava, Malata e Fodya; Jonh Banda, Phiri Jr. (Frank Banda) Kayira e Mhone (Fisher), Ngalande (Kumwenda) e Sulumba.