A “Cosafa Cup” vai ter hoje Lesotho-Madagáscar e Tanzania - Suazilândia

Ainda assim, o Lesotho – 4º classificado em 2013, na Zâmbia, onde os anfitriões foram dignos vencedores da competição – apresenta-se com uma ligeira margem de favoritismo diante da turma malgaxe, que, lembre-se, marca, este ano, o seu regresso à competição após se ter retirado em 2008, com um honroso 4º lugar, numa edição em que Moçambique conseguiu a sua melhor performance de sempre, perdendo a final (2-1) diante da África do Sul.

Já às 19.30 horas, no mesmo Royal Bafokeng Sports Palace – um estádio de nível mundial localizado em Rustenburg, inaugurado em 1999 e que em 2010 acolheu jogos da primeira e segunda fase do primeiro Mundial de Futebol em solo africano – estarão frente a frente a Tanzânia e a Suazilândia, respectivamente um convidado (que fechou uma das vacaturas deixadas por Angola e Comores) e um membro de pleno direito da Cosafa.

Neste segundo jogo da tarde, a Tanzânia apresenta-se claramente como favorita à conquista dos três pontos, pois é de acreditar que o seu melhor posicionamento noranking da FIFA e o facto de ser treinado por um técnico bastante experiente vão ser factores bastante fortes e dificilmente contornáveis pela juventude que forma o plantel dos Sihlangu, nome de guerra da selecção do Reino da Suazilândia.

Para sermos mais claros, frise-se que a Tanzânia é treinada por uma “velha raposa”, nossa conhecida, o holandês Mart Nooij, que já pisou palcos da “Cosafa Cup” por várias vezes, ao tempo em que vendia o seu conhecimento à FMF, orientando os Mambas.

Este é um desafio que será, também, muito interessante de seguir, vaticinando-se que os tanzanianos sejam os primeiros líderes do Grupo B, sem que isso signifique que seria escandaloso se a Suazilândia vencesse o jogo.

Recorde-se que ontem, no arranque da “Cosafa Cup”, no seu Grupo A, a Namíbia empatou (0-0) com Seychelles, enquanto o Zimbabwe dava um “show de bola” e levava de vencida o combinado das Maurícias, uma vitória que só não conheceu números mais dilatados porque o keeper mauriciano, Kevin Jean-Louis, teve defesas “five stars”, salvando a sua turma do pior.

Esperemos para ver o que os artistas nos vão mostrar hoje, nesta competição que começa com dois grupos de quatro equipas cada, em que os dois primeiros avançam para os quartos-de-final, fase que arranca no domingo, com Moçambique a entrar exactamente nessa fase, no domingo, devendo defrontar o Malawi.

As equipas isentas da fase de grupos ora em curso são Moçambique, África do Sul, Gana, Zâmbia, Botswana e Malawi, graças ao seu bom posicionamento no ranking da FIFA, publicado em Fevereiro deste ano.