Falso arranque na tarde de ping-pong

A Selecção Nacional de futebol entrou a perder na campanha de qualificação ao CAN do Gabão-2017 e pode ter mesmo comprometido o próprio apuramento, até porque do Grupo-H do qual fazem parte os Mambas está, também, o Gana, colosso do futebol africano.

Numa tarde em que a equipa de João Chissano entrou praticamente a correr atrás do prejuízo, a ponta final da primeira parte ainda mostrou uma Selecção Nacional com vontade de chegar ao golo do empate antes do intervalo, mas os 45 minutos finais foram penosos.

A destacar pena negativa vai para a incapacidade que a equipa de construir os seus próprios lances de ataque, mesmo quando fugazes rasgos individuais faziam sonhar a plateia.

Na segunda parte, osMambas foram irreconhecíveis nessa fase do jogo, sem estrutura e com o individualismo a impor-se perante o colectivo.

Sem nunca ter tocado o alarme a assinalar que o tempo corria a desfavor para a Selecção Nacional acelerar o passo e forçar o erro do adversário para chegar ao tão almejado golo de empate, a estratégia que restou aos Mambas no desespero de causa foi a falta de estratégia, consubstanciada em bolas bombeadas para frente.

Depois, no filme mental da equipa, há que perceber porquê a equipa não se submeteu ao sofrimento para justificar algo que não fosse a derrota.

Uma equipa sem charme, sem raça, sem autoridade em campo é sinal de desmotivação.