PARALÍMPICOS DESLUMBRARAM

 encorajar a lutar ainda mais para que nos próximos a prestação seja ainda melhor. Este é um momento único para nós, mas dá-nos maiores responsabilidades para o futuro.

De acordo com este, é importante que o país mantenha presença nos torneios internacionais, destacando, por exemplo, o "Meeting da Tunísia" em Junho. Os Campeonatos Mundiais em Julho e depois os Jogos da Francofonia.

- Temos que trabalhar mais para trazermos resultados ainda melhores.

Isto tudo, de acordo com Faquir, é resultado de muito trabalho feito mesmo sem as condições que seriam ideias.

- O grupo é uno e trabalha com perseverança e disponibilidade de nalguns momentos gastar aquilo que deveria ser para as nossas famílias. Foram oito atletas e 18 medalhas, sendo oito de ouro, sete de prata e três de bronze. É francamente positivo. Aliás, somente uma atleta (Márcia Moiana), que teve uma ruptura muscular, é que não teve medalhas. Prometemos mais porque vamos procurando novos talentos. Iremos começar agora a procurar atletas mais novos a pensar no SCSA da Zâmbia.  

 

Temos base para pensar nos Jogos Olímpicos

- Eugénio do Carmo Artur Come, encarregado de negócios

O encarregado de negócios, o conselheiro Eugénio do Carmo Artur Come, considerou que o número de medalhas (26) conquistadas nesta edição demonstra claramente que se melhorou, sobretudo no basquetebol masculino, em que venceu ouro após triunfo sobre Angola.

- Estamos satisfeitos. Mais importante para estes jovens é que devem assumir que são uma geração que vai conduzir o país para os Jogos Olímpicos e estas vitórias servem de incentivo. Penso que há promessas e acreditamos no futuro. Felicitámos a todos e apelámos que continuem se dedicando e que haja continuidade à busca de mais vitórias. Estamos no bom caminho.

 

EIS OS MOÇAMBICANOS MEDALHADOS

ATLETISMO:Edmilza Governo (três ouros), Pita Rondão (três ouros), Hilário Xavier (dois ouros e uma prata), Denize Pombo das Dívidas (duas pratas), Anísio Baptista (uma prata e dois bronzes), Laurentina Matimbe (uma prata e uma bronze) e Fernando Salomão (uma prata).

BASQUETEBOL: Selecção Nacional masculina (ouro)

JUDO: Ana Madivate (prata) e Narciso Matos (dois bronzes)

BOXE:Augusto Mathuele, 64kg (bronze) e Lourenço Cossa, 69kg (bronze).

 

Penso que poderíamos ter tido mais medalhas 

- Narciso Matos, primeiro moçambicano medalhado 

Narciso Matos, primeiro moçambicano a conseguir uma medalha nos V Jogos do SCSA, disse na hora de balanço que se sentia bastante honrado por ter aberto portas às medalhas.

- É bastante honroso saber que depois da minha medalha os resultados começaram a surgir noutras modalidades, o que foi positivo para a delegação. Até pode parecer pouco, mais acredito que consegui inspirar os meus colegas que acreditaram que era possível e depois coleccionámos medalhas atrás doutras nas modalidades que vieram a seguir, sendo de destacar a do basquetebol masculino, em que finalmente vencemos a Angola. Acho mesmo que poderíamos ter tido mais medalhas.

Mesmo assim lamenta que não tenha conseguido o ouro que era o principal objectivo à sua saída de Maputo.

- Mesmo com isso tudo não posso dizer que a minha prestação tenha sido positiva porque pretendia ouro e acredito que era possível se não tivesse tido um erro ligeiro que custou a derrota. Os resultados mostram que estamos a trabalhar. Sinto que com mais atletas nacionais a nossa prestação teria sido ainda melhor.