Do desaire dos Mambas à queda do Desportivo

 Maputo, que teve lugar na manhã do último dia de 2011.

Tem sido tradição, no nosso semanário, a escolha dos destaques do ano. Em 2011, as honras recaíram sobre José Solomone Cossa (Figura do Ano), Yassin Amuji (Dirigente do Ano), Kurt Couto (Atleta do Ano), Samuel Chirindza (Melhor Árbitro do Ano), Selecção de Hóquei (Equipa do Ano), Artur Semedo (Treinador do Ano) e Maria Mabjaia (Atleta-revelação).

O desporto moçambicano, em partícular o futebol, chorou o desaparecimento físico de Guilherme Cabaço. desafio juntou-se às vozes que homenagearam Guilherme Cabaço, publicando aquele que podemos considerar como sendo o seu último grande testemunho enquanto Sócio nº 1 e reservatório da identidade alvi-negra, publicado pela primeira vez por ocasião da celebração dos 90 anos do Grupo Desportivo do Maputo em Junho de 2011. Num texto também ele autobiográfico do malogrado, Guilherme Cabaço lembrava várias peripécias por que passou o Desportivo, com destaque para a construção do campo de futebol e a saída de alguns sócios para a fundação do Sport Lourenço Marques e Benfica, actual Costa do Sol.

 

O futebolista Manuel Bucuane, que se tornou conhecido no mundo do futebol por Tico-Tico, revelou ao desafio que arrumava as suas chuteiras, depois de cerca de 18 anos de sénior. Tico-Tico afirmou que aconteceram coisas no Desportivo que dinamizaram a sua decisão de arrumar as chuteiras, aos 38 anos de idade.

Fevereiro:

A Liga Muçulmana, campeã nacional de futebol, iniciou a sua defesa do título conquistando a quarta edição do Torneio “O Treinador”, derrotando na final o Desportivo de Maputo por 3-1.

Cerca de dezasseis anos depois, Dário Monteiro retornou ao Desportivo, a casa que o viu nascer como futebolista, realizando o sonho de terminar a sua carreira de águia ao peito e ajudar o clube a atingir outros voos.

Confirmava-se o início da era “muçulmana” em Basquetebol. .Nem foi necessário ir-se ao terceiro jogo, pois ao segundo dos “play-off” da final à melhor de três partidas, a Liga Muçulmana fez questão de mostrar que tem melhores argumentos que a A Politécnica e desta forma para além de conquistar o torneio nacional de basquetebol garantiu a sua estreia nas competições africanas de basquetebol feminino.

Naquela que é a primeira prova oficial antes do arranque do Moçambola, o Ferroviário de Maputo, vencedor da Taça de Moçambique, conquistou a Supertaça-2012, mercê da vitória infligida à Liga Muçulmana, ex-campeão nacional. No tempo regulamentar e no prolongamento, as duas equipas estavam empatadas a uma bola.

A Liga Muçulmana derrotou o Mafunzo por dois a zero, em Zanzibar, em jogo da primeira mão da pré-eliminatória da Liga dos Campeões de África em futebol. Os dois golos foram da autoria de Muandro.

O Ferroviário de Maputo deu um passo importantíssimo ao derrotar, de forma categórica (3-0), o Gor Mahia do Quénia, em partida referente à primeira “mão” da pré-eliminatória da Taça CAF, também conhecida por Taça Nelson Mandela. 

 

Março:

Pela segunda vez consecutiva, o Ferroviário de Maputo conquistava a Taça de Honra SOJOGO, desta feita após vencer a formação do Costa do Sol, por 2-0, em pleno Estádio da Machava, com os golos apontados por Luís nos minutos 39 e 60, terminando a prova como líder, com sete pontos.

Cerca de três anos depois, o treinador Nazir Salé, actualmente no comando da Liga Muçulmana, voltava  a assumir as funções de seleccionador nacional de basquetebol sénior feminino.  Enquanto isso a internacional moçambicana, Deolinda Gimo, transferia-se para  o 1º de Agosto de Angola, treinado por Aníbal Moreira.

Na odisseia das afrotaças, o Ferroviário de Maputo carimbou, em pleno Nyanyo National Stadium, em Nairobi, o passaporte para a eliminatória seguinte da Taça CAF, ao derrotar o Gor Mahia por 1-0, perfazendo um agregado de 4-0. Enquanto isso,  a Liga Muçulmana afastava do seu caminho o Mafunzo de Zanzibar, com um agregado de 5-0, após vencer, em Maputo, o jogo da segunda mão da primeira eliminatória da Liga dos Campeões de África.

A Vuvuzela soou no Chibuto. Era desta forma que o  desafio  anunciava na sua primeira página  da edição de 19 de Março, o arranque do Moçambola. O pequeno Município do Chibuto, se não mesmo a província do Gaza no seu todo, “parou” por algumas horas para celebrar a festa de futebol, a festa da abertura do futebol Moçambola, que no fundo era a comemoração duma província há muito arredada dos grandes acontecimentos desportivos.

A  Liga Muçulmana consentiu dois golos, obtidos por Chinyama, no jogo da primeira mão da primeira eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões de África em futebol, no empate (2-2) diante do Dynamos do Zimbabwe, que esteve isento da pré-eliminatória da competição. Enqunto isso, o Ferroviário de Maputo minou o seu percurso na Taça CAF, ao ser derrotado no Estádio Nacional do Zimpeto pelo Al Ahly Shandy do Sudão por 1-0, em partida referente à primeira eliminatória desta competição também conhecida por Taça Nelson Mandela.

 

Abril:

A Liga Muçulmana, campã nacional de futebol, foi afastada da corrida para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos, ao ser derrotado pelo Dynamos do Zimbabwe por 1-0, em partida da segunda mão da primeira eliminatória, com o ponta-de-lança Chinyama a ser autor do golo solitário. O mesmo aconteceu com o Ferroviário de Maputo, representante do país na Taça CAF,que também  ficou pelo caminho ao consentir mais uma derrota por 2-0 diante do Al Ahly Shandy do Sudão, em partida da segunda mão da primeira eliminatória da Taça CAF.

Três anos depois de se ter aposentado da arbitragem do futebol por imperativos de idade, depois de ter deixado para trás 17 anos de bandeirola em punho, porquanto fez a carreira como árbitro assistente, Júlio António Teófilo Mungói, de nome completo, assumiu no dia 15 de Abril o cargo de presidente da Comissão Nacional de Árbitros de Futebol (CNAF), em substituição a Venildo Mussane que de 2007 até 12 de Abril último esteve à frente daquele órgão da estrutura da Federação Moçambicana de Futebol (FMF).

Foi também neste mês que tomou posse o elenco directivo do Plenário de Justiça Desportiva, último órgão de recurso dos agentes desportivos moçambicanos.

 

Maio:

Ao cabo de 10 jornadas do Moçambola, depois de seis jogos sem ganhar, período durante o qual perdeu quatro e empatou dois, o Desportivo de Maputo caminhava penosamente na 11ª posição da tabela classificativa, um lugar acima da zona de descida para o Campeonato da Cidade de Maputo. Sem ganhar desde 7 de Abril último, dia em que para a quarta jornada venceu o lanterna vermelha Ferroviário de Pemba, por 2-1, o treinador Augusto Matine admitia que a sua relação com os alvi-negros chegava ao fim.

 

No único teste que tiveram antes da sequência de três jogos de qualificação para o Mundial do Brasil-2014 e para o Campeonato Africano das Nações da África do Sul-2013, os Mambas não foram para além de nulo diante da Namíbia que, também na Alemanha, prepara-se para os seus compromissos em solo africano.

 

Junho:

António Munguambe foi empossado, neste mês, nas novas funções de Presidente do Conselho de Administração do Fundo de Promoção Desportiva. Na ocasião, o ex-Ministro da Juventude e Desporto, Pedrito Caetano, sugeriu prioridades.

AMissão Moçambique trabalhava arduamente no processo de remoção de obstáculos de índole burocrática, com vista a viabilizar a deslocação de cerca de 100 integrantes da delegação moçambicana a Mafra, onde, de 7 a 15 de Julho, tomaram parte nos VIII Jogos da CPLP, ao nível do escalão sub-17.

Julho:

Duas derrotas na primeira fase diante da Croácia (84-62) e Coreia do Sul (71-65) afastaram a selecção nacional de basquetebol senior feminino dos Jogos Olímpicos de Londres-2012. O “cinco” de Nazir Salénão desiludiu e saiu da Turquia com a ambição aguçada de lá voltar em 2014, para disputar o Campeonato do Mundo. Mas para tanto, já no próximo ano, quando organizar o Afrobasket que qualifica ao Mundial da Turquia, Moçambique deve se classificar entre os dois primeiros lugares.

Quem também não escapou a chicotada  psicológica foi Mussa Osman que, devido pressão e o mau ambiente instalado mo seio do Ferroviário da Beira acabou por se transferir  para o Chingale de Tete, clube pelo até hoje mantém o seu vinculo contratual.

 

O futebol moçambicano ficou de luto com o desaparecimento físico de Joaquim Alói, ou simplesmente, mister Alói. Aloi, que morreu aos 66 anos de idade, ingressou nos juniores do ex-Sporting de Lourenço Marques (hoje Maxaquene) clube que representou até finais da década 70. E após terminar a carreira abraçou a de treinador e nos últimos anos era dirigente “tricolor”.

A participação de Moçambique nos VIII Jogos da CPLP de Mafra  foi “salva” pelos  atletas paralímpicos. As 16 medalhas de que Moçambique se orgulha foram, na sua maioria, ganhas na modalidade do atletismo, concretamente no atletismo adaptado, ou para pessoa portadora de deficiência.

O futebol moçambicano não só viveu de tristezas. O antigo futebolista internacional moçambicano Nicolau de Sousa, popularmente conhecimento por Nico ou Danger Man, foi homenageado pelos seus colegas com quem jogou no Matchedje durante vários anos, por ter completado 50 anos de vida, muitos dos quais dedicou ao desporto como futebolista de eleição no Têxtil de Púnguè e sobretudo no Matchedje e na Selecção Nacional de Futebol.

Uma precoce eliminação da Taça de Moçambique/mcel e o penúltimo lugar ocupado pelo Desportivo de Maputo no Moçambola-2012 já era um  o resultado visível  de uma produção negativa que a equipa estava acusar. Aliás, já era o prenúncio da inevitável descida de divisão.

 

Agosto:

Depois da participação de Moçambique na 30.ª Edição do Jogos Olímpicos de Verão, decorridos entre 27 de Julho e 12 de Agosto, em Londres, desafio entrevistou Marcelino Macome, presidente do Comité Olímpico de Moçambique (COM), que se inquieta com o estágio da participação de Moçambique, ao mesmo tempo que garante que acções imediatas vão ser desencadeadas para Moçambique apresentar uma cara diferente, com as atenções centradas nos Jogos Olímpicos de Londres.

Está de parabéns o Sindicato de Jogadores de Futebol pela iniciativa que teve de realizar uma homenagem ao antigo internacional moçambicano Tico-Tico, porque o jogador bem o merece pelos altos serviços que prestou ao país em representação da Selecção Nacional de Futebol e do seu clube, o Desportivo de Maputo, e pela projecção da imagem do nosso futebol e da qualidade dos nossos jogadores na vizinha África do Sul, abrindo caminho para que outros fossem lá jogar.

 

Setembro:

O Presidente da República, Armando Guebuza, mostrou-se preocupado com o estágio actual do desporto moçambicano, apontando como maior inquietação o facto de um país com mais de vinte e dois milhões e quinhentos mil habitantes vá aos Jogos Olímpicos com menos de 10 atletas. Num encontro que teve com os desportistas nacionais, o PR apelou para que esta situação se invirta através da massificação do desporto, defendendo que cada moçambicano, independentemente da sua idade, deve praticar desporto aonde está inserido. 

O técnico Abdul Omar queixava-se de ter sido sabotado no Chibuto, apontando o dedo em riste ao vice-presidente da colectividade gazense, Ninito, de ter orquestrado a sua demissão, juntamente com os patrocinadores, que se intrometiam nas suas opções técnicas. Por outro lado, Omar afirma que Alexandre Cepeda não está na teia das armadilhas e que sempre teve o apoio do presidente, Simeão Cossa.

Uma épica exibição de Dominguez na segunda parte inspirou a Selecção Nacional de Futebol para uma preciosa vitória diante de Marrocos, por 2-0, em jogo da primeira mão da terceira e última eliminatória de acesso ao CAN-2013, cuja fase final terá lugar na vizinha África do Sul. Com o Estádio da Machava já rendido à sua exibição, Dominguez sentenciou a partida já em tempo de compensação, depois de aos 73 minutos ter assistido Miro para o primeiro golo do jogo. No próximo dia 15 de Outubro, em Marrakech, os Mambas podem garantir o apuramento para o seu quinto CAN, bastando para tal ganhar, empatar ou perder por uma diferença mínima de um golo

 

Outubro:

Selma Simango era empossada para a presidência da Federação Moçambicana de Xadrez, em resultado das eleições ocorridas na Assembleia Geral, realizada neste mês, na Cidade de Maputo. Simango, que sucedeu a Pedro Chambule, que renunciara ao cargo, alegadamente por as condições não estarem criadas para a sua continuação no leme da instituição.

A equipa feminina da Liga Muçulmana foi a única representante moçambicana a qualificar-se para a fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos em basquetebol, cujas eliminatórias da Zona VI tiveram lugar no mês de Outubro, em Maputo. As outras duas, Ferroviário e A Politécnica, respectivamente em masculinos e femininos, ficaram por terra.

Duas semanas depois a Liga Muçulmana tornava-se no quarto emblema  moçambicano a conquistar a Taça dos Clubes Campeões africanos de basquetebol, ao vencer na final o Inter de Luanda, por 53-43, em jogo da final da 18ª edição que decorria em Abidjan, desde o passado dia 19 de Outubro corrente.

A derrocada da Selecção Nacional de Futebol (Mambas) em Marrakech, Marrocos, foi um autêntico pesadelo as mentes de muitos moçambicanos, até agora inconformados com o facto de Moçambique não poder estar no CAN-2013, mesmo aqui ao lado, na África do Sul. O povo pede a cabeça de Feizal Sidat, presidente da Federação Moçambicana de Futebol (FMF), bem como a do técnico Gert Engels, apontados como os pais das culpas.

 

Novembro:

Ao cabo de 24 jogos disputados no Moçambola-2012, o Maxaquene sagrava-se virtual campeão nacional a duas jornadas do fim da competição, numa demonstração de regularidade em relação aos demais concorrentes na luta pelo título. Uma tal regularidade que teve um impressionante registo de 18 jogos consecutivos sem derrota, de 1 de Abril a 22 de Setembro, entre a terceira e a 20ª jornada, respectivamente.

 

Aos 91 anos de existência, o Desportivo de Maputo, após perder diante do Chingale de Tete, por 1-0, em jogo da 25ª e penúltima jornada do Mocambola-2012, teve o condão de sentenciar a despromoção, pela primeira vez na história quase centenária do clube, para o escalão secundário do futebol nacional.

A equipa de futsal da Liga Muçulmana de Maputo, formação treinada pelo brasileiro Roberval Ramos, sagrou-se campeã da cidade de Maputo, mesmo faltando duas jornadas para o término do campeonato.

Contra todas as previsões, a Federação Moçambicana de Futebol (FMF) decidiu manter o alemão Gert Engels à frente dos destinos dos “Mambas”. O técnico, após a eliminação da selecção nacional, foi pressionado a abandonar o comando técnico, tal pressão que também se estendeu ao presidente federativo, Feizal Sidat, tido, por alguns analistas, entre outros, como dos principais culpados pelo desaire de Marraquexe.

Nacir Armando assumiu não ter conseguido cumprir os objectivos para os quais foi contratado pelo Ferroviário de Maputo, daí ter afirmado deixar  seu lugar a disposição e que iria à busca doutros desafios. Numa entrevista ao nosso jornal, o técnico apontou os estágios demorados da selecção nacional e alguns jogadores que se envolvem com agiotas e que, quando se vêem à nora, preferem não aparecer aos treinos, como sendo algumas coisas que podem ter contribuído para o insucesso que culminou com a queda para o quarto lugar.

O ano futebolístico para os muçulmanos fechou em grande. A Liga Muçulmana conquistou neste mês a 34.ª edição da Taça de Moçambique/ mCel em futebol, ao vencer no jogo da final disputada no Estádio Nacional do Zimpeto o Costa do Sol por 1-0, com o golo solitário a ser apontado por Telinho, aos 74 minutos. Com o triunfo de ontem, os “muçulmanos” tornam-se no 11.º emblema a vencer a segunda maior prova do calendário futebolístico nacional.

 

Dezembro:

A Selecção Nacional de Futebol, os “Mambas”, venceu a sua congénere das Seychelles por duas bolas a uma, em jogo da segunda mão de qualificação ao CAN-Interno, a ter lugar no próximo, na vizinha África do Sul. Desde modo, os “Mambas” venceram a eliminatória com um agregado de 6-1, visto que na primeira mão, realizada no Estádio Nacional do Zimpeto, lograram golear o seu adversário por 4-0.

O desporto moçambicano chorou o desaparecimento físico de Afonso Eusébio do Costa do Sol partiu para uma viajem sem regresso, vítima de doença prolongada, deixando luto no seio da sua família, amigos e antigos colegas do desporto.

O Instituto Superior de Ciências e Tecnologia de Moçambique (ISCTEM) outorgou Mário Coluna com o título honorífico de mestre em Liderança Desportiva, pelo seu contributo para o desenvolvimento do desporto em Moçambique e a nível mundial.

Um dia antes de ser internado no Instituto do Coração, em Maputo, Mário Coluna voltou a referir-se, em entrevista ao nosso Jornal, à injustiça que o Estado moçambicano fez ao nacionalizar um prédio que comprou com o dinheiro ganho no futebol.

Depois de ter conquistado o Moçambola-2012, faltando duas jornadas para o seu final, o presidente do Maxaquene, José Solomone Cossa, colocou o seu lugar à disposição. Antes de demitir-se, Cossa ainda não havia renovado com grande parte dos atletas do plantel campeão nacional, muitos dos quais em finais de contrato, para além de ter prometido pagar-lhes só em Março de 2013 o prémio de 100 mil meticais pela conquista do Moçambola.

O judoca Narciso Matos, na categoria de 66kg, foi o primeiro moçambicano a conquistar uma medalha nos VI Jogos da Juventude SCSA Zona VI, que decorreram, em Lusaka, Zâmbia. Este foi, só foi possível depois de ter sido afastado da final teve consolo quando venceu um opositor do Botswana conquistando a medalha de prata. No evento, Moçambique ocupou um honroso 4º lugar.

O desporto moçambicano ficou de luto com o desaparecimento físico de Arsénio Cristo Esculudes, um homem que dedicou toda a sua vida ao hóquei em patins, tanto como praticante quanto como treinador. A sua história confunde-se com a própria modalidade.

O Ferroviário da Beira sagrou-se campeão nacional de basquetebol pela primeira vez na história, ao bater o Maxaquene por 89-80. A final foi em play off e depois do empate nos dois jogos anteriores o homens do Chiveve marcarama diferença no terceiro.

 

Texto de Raimundo Zandamela

Fotos de arquivo