Matos conquista primeira medalha

Matos, que chegou mais tarde a Lusaka, começou a competição impondo uma derrota pesada (100-0) a um atleta da Suazilândia, nos quartos-de-final, mas já nas meias-finais, diante de um oponente sul-africano não teve força nem técnica suficiente para evitar perder pelos mesmos números e já para atribuição da medalha de bronze venceu por 110-0 e ficou pela primeira medalha para o país na estreia do judo nos Jogos do SCSA.

Depois deste bronze agora espera-se que a jovem Ana Madivate (57kg), que prometeu, ao nosso jornal, venha fazer ainda melhor.

Entretanto, mesmo com este bronze, a prestação de Moçambique, não tem demonstrado tendência de melhoria comparada à última edição (Suazilandia-2010) em que ficou na cauda da classificação geral.

Ao ritmo actual somente atletismo, cujas provas iniciam amanhã, é que pode dar um "empurrão" para ter melhores resultados do que os de há dois anos, pois até ontem os resultados não eram os esperados. Até ao fecho desta reportage Moçambique já havia ganho um bronze e caido no ténis, no boxe o máximo que haviamos conseguido era uma vitória em seis combatesefectuados. Na natação, não obstante chegarmos às finais ainda não subimos ao pódio.

Em relação a única modalidade colectiva da nossa delegação (basquetebol) o começo foi como se pretende, pois impôs “chapa-100” a Namíbia e tem tudo para chegar pelo menos a final.

OCUPAR 1o LUGAR E EVITAR ANGOLA NAS MEIAS

A Selecção Nacional de Basquetebol de Moçambique em masculinos está a jogar para ocupar o primeiro lugar da série "A", de onde faz parte também a anfitriã Zâmbia, para além da Namíbia e Malawi, como forma de evitar um cruzamento prematuro com a sua congénere e maior rival da zona (Angola).

É que em masculinos onde o número de participantes é de apenas sete países optou-se por dividir as equipas em duas séries, passando para a fase seguinte as primeiras duas que deverão cruzarem-se nas meias-finais. E porque os angolanos, deverão, em princípio, vencer a outra série ("B") de que faz parte Botswana e África do Sul evitar enfrenta-los agora abre espaço para tentar vingar-se da derrota de há dois anos na Suazilândia.

Para já começou bem chegando a "chapa-100" logo no primeiro dia de competições quando levou a melhor frente a Namíbia, por 101-29, do resto foi o primeiro resultado mais desnivelado do torneio. Moçambique espera enfrentar esta tarde (12.00horas) outro adversário teoricamente Malawi na última partida desta fase.

O torneio feminino do qual Moçambique não faz parte - os angolanos dizem-se decepcionados porque o torneio perdeu qualidade com esta ausência - é disputado no sistema de clássico de todos contra todos. E tudo indica que a Angola irá passear a sua classe sem problemas. Aliás, venceu os primeiros encontros um dos quais frente as anfitriãs por 79-34.  

COSSA PRIMEIRO PUGILISTA VENCEDOR

No torneio de boxe, que é disputado no sistema de todos contra todos devido ao número reduzido de participantes, Moçambique não tem estado ao melhor nível. Logo na estreia ainda "ensaiou" um bom arranque através de Carlos António (49kg), mas depois de ter estado a vencer por 9-6 à entrada do último assalto acabou permitindo a recuperação do sul-africano perdendo no final por 14-15. Depois os restantes dois que entraram em cena no primeiro dia seguiram o mesmo exemplo e ontem foram mais dois a cair. Neste momento o único triunfo é de Lourenço Cossa (69kg) que levou a melhor frente a Ipinge Max, da Namíbia, por 16-13.

Antes deste haviam perdido Augusto Mathuele (64kg) frente a Jonas Júnior, da Namíbia, por 23-18, e Arnaldo Mucambe (60kg) nem sequer passou do segundo assalto diante de do suazi, Dlamine, Filipe Manjate (52kg), caiu frente a um do Botswana e Castelo Langa frente a um suazi, Shiba.

Com esta prestação Moçambique não se apresenta capaz de fazer melhor que há dois anos em que conquistará cinco medalhas, uma prata e quatro bronzes.

NATAÇÃO COM FINAIS MAS SEM PÓDIO AINDA

A participação de Moçambique no torneio de natação ainda não foi das melhores, não obstante ter colocado logo no primeiro dia seis atletas nas finais, os resultados finais não foram dos melhores.

O melhor que se conseguiu alcançar foi o quarto posto ocupado por Jéssica Cossa, nos 100costas, enquanto Weidy Rasse ficou em quinto nos 100bruços e Igor Mogne, em sexto nos 400 livres.

Ainda sem grande prestação na competição estão Gizela Cossa, Laila Taquir, Jannat Bique, Faina Salat, Elton Mangore, Shakil Fakir.

Nesta edição está a emergir a Zâmbia o que coloca o terceiro lugar ocupado há dois anos em riscos, já que para já os donos da casa surgem, de parceria com o Zimbabwe, como capazes de seguir a inquestionável África do Sul.

TÉNIS NÃO PASSOU DOS "OITAVOS"

No torneio de ténis em que Moçambique participa só em femininos, Diana da Costa, campeã nacional de singulares raparigas, ainda começou bem com uma vitória sobre a zambiana Carolina Zulu por 6/3 e 6/2, mas na segunda eliminatória não conseguiu evitar o afastamento dos quartos-de-final ao perder por duplo 6/1 frente a Phatsimo Ruele (Botswana).

Por seu turno, Cláudia Sumaia não conseguiu evitar uma derrota ante a zambiana Idah Longwe (6/2 e 6/2) logo na primeira eliminatória. A nível de pares a dupla moçambicana também baqueou logo na primeira eliminatória frente a Lesotho, por 6/3 e 6/2.

As jovens nacionais denotaram em ambas partida a ausência de ritmo competitivo, causado pela falta de competições.

ÁFRICA DO SUL JÁ MANDA

Como se previa, aliás, como tem sido hábito a delegação da África do Sul já começou a exibir a sua "musculatura" e só no primeiro dia de competições venceram as primeiras 12 finais e ainda mais nove pratas no torneio de natação disputado na piscina olímpica do Centro Olímpico de Desenvolvimento Juvenil, um empreendimento que se tornará na cidadela desportiva de Lusaka. A Namíbia com nove (duas pratas e sete bronze) e Botswana com duas de bronze foram os primeiros felizardos. Aliás, a Zâmbia ficou também com um bronze.

E pelo que está acontecer também noutras modalidades individuais os sul-africanos não terão quaisquer tipo de dificuldades para continuar a mandarem na zona como têm feito desde a primeira edição.
A Zâmbia, a jogar em casa, está a tentar explorar a sua vantagem, mas até agora ainda não "meteu" medo a nenhum dos participantes. Onde espera-se que seja de facto candidato é no torneio masculino de futebol.

JOGOS SEM SOBRESSALTOS

Os VI Jogos da Juventude SCSA Zona VI, que decorrem na terra de Keneth Kaunda desde sexta-feira, estão a decorrer sem grandes sobressaltos, com os zambianos a marcarem presença maciça nos locais dos jogos, sobretudo onde se joga futebol e basquetebol.

A programação não indicou nenhum dia de descanso colectivo, sendo que cada modalidade programou o seu dia. No caso de basquetebol será esta quarta-feira, futebol quinta-feira (masculinos) e quarta-feira (femininos), netball há descanso esta quarta-feira, judo termina hoje, atletismo só começa amanhã, boxe termina na quarta-feira e natação terminou ontem e ténis vai até amanhã, mas já sem moçambicanas.

De acordo com dados disponíveis o torneio de basquetebol será o último a encerrar, precisamente no sábado, dia 15 de Dezembro, ficando reservada o domingo (dia 16) somente para a cerimónia de encerramento dos jogos e passagem do testemunho ao próximo anfitrião, que será mesmo aqui ao lado da Zâmbia (Zimbabwe), em 2014.

RESULTADOS DO TORNEIO DE BASQUETEBOL MASCULINO

Moçambique-Namíbia (101-29)

Moçambique-Zâmbia 63-58