Há muitos clubes que me querem

 nome na lista dos treinadores que tiveram o ensejo de qualificar pela primeira vez algumas equipas para esta prova.

Mas não é por morrer uma andorinha que a Primavera acaba, como reza o velho prolóquio, pelo que Erasmo Cabral acredita que melhores dias virão e que o facto de não ter conseguido, desta vez, não é o sinónimo de que a sua carreira estará sempre marcada pelo insucesso, até porque ela ainda está a começar.

Arrancado nas garras do Teka-Mahala, onde ele desenvolveu um trabalho de encher o olho, formando vários jogadores, alguns dos quais hoje alguns militam no Moçambola, Cabral chegou ao Ferroviário no ano passado a convite da direcção “locomotiva”, para tornar uma realidade aquilo que são os anseios da colectividade, que passam por colocar a equipa na alta-roda do futebol moçambicano. Chegado ao Ferroviário, no primeiro ano conseguiu colocar a equipa na primeira posição do campeonato provincial, mesmo com igualdade pontual com o Chibuto de Chibuto. Os chibutenses ficaram na primeira posição devido ao confronto directo, o que fez com que o seu sonho mais uma vez não passasse de uma simples utopia.

E como a vida é feita de actos e factos, Erasmo Cabral não baixou a cabeça, arregaçou as mangas e na presente época, com ajuda da direcção, conseguiu formar um arsenal para fazer face ao campeonato provincial. De forma algo folgada conseguiu vencer o campeonato com uma margem pontual muito grande em relação aos seus adversários. Em 22 jogos sofreu apenas uma derrota, num campeonato que teve o condão de contar com mais equipas comparativamente aos anos anteriores, foram no total 11 que disputaram o certame.

 

POSSO TREINAR

QUALQUER EQUIPA

Com apenas uma formação do nível C da CAF, Erasmo Cabral afirma que está habilitado para treinar qualquer equipa porque, na sua opinião, tem capacidades suficientes para tal. Mais adiante, o nosso interlocutor revelou ao nosso semanário que neste momento há muitos clubes que precisam dos seus préstimos, porque reconhecem o seu valor. Até ao momento, ele continua ligado ao emblema “locomotiva” até dia 31 de Dezembro do ano em curso, sendo que só depois é que saberá qual será o seu futuro, porque no seu entender, caso a direcção queira renovar com ele, primeiro terá de analisar seriamente se dá para continuar ou não. Caso contrário, não será problema porque ele tem muito mercado e que estará a treinar qualquer equipa.

- Se a direcção do Ferroviário quiser que eu continue, teremos de sentar e delinearmos muita coisa. Se não continuar, tenho potencial para treinar qualquer equipa, porque tenho muito mercado. A maior parte das equipas precisa dos meus préstimos. Consegui cumprir com o aprazado no Ferroviário. O objectivo principal era ganhar o campeonato provincial e consegui. Depois, eu disse que iria tentar levar a equipa para o Moçambola, mas não consegui.

Num outro desenvolvimento, Cabral enalteceu a forma como o campeonato provincial decorreu na presente época, destacando o nível de competividade das equipas, o que para si ajudou os jogadores a desenvolverem a sua capacidade técnica. E quanto do actual estágio do futebol gazense, ele revela que neste momento se estão a dar passos significativos rumo ao seu reconhecimento, embora admita que ainda há muito por fazer.