Nunca foi fácil chegar a Dar-es-Salam

É que, depois de um silêncio insurdecedor, só na última quinta-feira é que os tanzanianos comunicaram que o jogo seria no domingo (9 de Fevereiro), quando oslocomotivas já tinham a logística preparada para viajar àquele país depois de amanhã, jogar sábado e regressar no domingo. Se jogarem no domingo, só chegam à cidade da Beira três dias antes do jogo da segunda “mão”.

A história ensina-nos que chegar a Dar-es-Salam, a capital da República Unida da Tanzania, nunca foi fácil.

Há mais de 50 anos, chegar a Dar-es-Salam era um desejo de muitos jovens moçambicanos que lá queriam chegar para fundar ou para se juntar à Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), mas nunca foi fácil.

Quer atravessando o Rio Rovuma, através da actual província de Cabo-Delgado, quer passando pelas fronteiras dos diversos países da região ou, até mesmo, viajando quer da Europa ou Estados Unidos da América, chegar a Dar-es-Salam revelou-se sempre uma tarefa difícil e, não poucas vezes, arriscada.

Nunca foi fácil porque havia sempre quem estivesse de olho em quem lá fosse ou, então, de olho em quem lá não tivesse que ir.

Hoje, mais de 50 anos depois das dificuldades que constam da epopeia da libertação nacional, chegar a Dar-es-Salam está a revelar-se difícil para o Ferroviário da Beira, vice-campeão nacional, vencedor da Taça de Moçambique/mCel de 2013 e representante do nosso país nas eliminatórias da Taça CAF.

É que tal como há mais de meio século a comunicação passava por algumas dificuldades entre moçambicanos e tanzanianos, hoje, a comunicação voltou a ter algumas dificuldades e venha dai as dificuldades por que está a passar o Ferroviário da Beira para chegar a Dar-es-Salam sem grandes problemas.

Na realidade, o AZAM FC, representante da Tanzania na Taça CAF e adversário do Ferroviário da Beira na pré-eliminatória demorou responder à preocupação do emblema moçambicano quanto à data do jogo da primeira “mão”, o que fez com que os locomotivas do Chiveve optassem pela data do meio entre as três que o órgão reitor do futebol continental coloca à disposição para a realização dos jogos.

E porque para a CAF, o jogo podia acontecer entre os dias 7, 8 e 9 de Fevereiro, respectivamente sexta-feira, sábado e domingo, na ausência da confirmação oficial por parte do AZAM FC da data do jogo, o Ferroviário da Beira fez a sua logística contando que o jogo seria no sábado.

Para assim proceder, a equipa moçambicana também jogava com a garantia dos voos das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), companhia aérea de bandeira na qual vai viajar a Dar-es-Salam.

Assim, a viagem de ida a Dar-es-Salam foi marcada para quarta-feira, depois de amanhã, contando que o jogo seria no sábado e o regresso no dia seguinte, domingo, ao às 17h00 locais.

Só que na última quinta-feira, já com a logística accionada, o AZAM FC comunicou que o jogo seria no domingo.

Se, de facto, o jogo acontecer no domingo, os locomotivas do Chiveve não poderão viajar no mesmo dia de volta ao país, algo que só poderão fazê-lo na quarta-feira, dia 12 de Fevereiro, quatro dias antes do jogo da segunda “mão”, agendado para 16 de Fevereiro, na cidade da Beira.

 

FMF E MJD PROCURAM SOLUÇÕES DENTRO E FORA DO PAÍS

Perante estes factos, o Ferroviário da Beira solicitou a intervenção da Federação Moçambicana de Futebol (FMF) e do Ministério da Juventude e Desportos (MJD), para interceder junto da Federação Tanzaniana de Futebol e da LAM para ajudar o representante moçambicano na Taça CAF a regressar ao país no domingo, independentemente de jogar no sábado ou no domingo.

Segundo Muino Ussemane Taquidir, Secretário-Geral do Ferroviário da Beira, o clube solicitou a FMF para que esta intercedesse junto da sua congénere tanzaniana para persuadir o AZAM FC a marcar o jogo para sábado a tarde ou, na pior das hipóteses, para domingo às 15h00, de modo a que equipa possa apanhar o avião de regresso ao país às 17h00.

- O Secretário-Geral da FMF, Filipe Johane, está já em contacto com as autoridades do futebol da Tanzania. É verdade que o AZAM diz que marcou o jogo para domingo porque, no sábado, há em Dar-es-Salam um jogo da Liga dos Campeões, entre o Young Africans da Tanzania e o Komorozine da Tanzania – contou Muino Taquidir para quem, fora as autoridades futebolísticas, espera por uma outra solução, mas do lado governamental.

- Do lado do MJD falamos com o Director-Geral do Fundo de Promoção Desportiva, Inácio Bernardo, de modo a que o Governo nos ajude a convencer a LAM a atrasar a hora da partida do avião de Dar-es-Salam por, pelo menos, duas horas. Se assim acontecer, mesmo começando o jogo às 16h00 locais, podemos regressar no mesmo domingo ao país – precisou Taquidir, para quem caso falhem estas duas soluções, a equipa só voltará ao país na quarta-feira, dia 12 de Fevereiro.

Dai em diante, contando que a 16 de Fevereiro teria que receber o AZAM FC, na cidade da Beira, para a segunda “mão” da pré-eliminatória da Taça CAF, ficaria com apenas três dias para preparar o jogo.