Queremos tentar ganhar o que for possível

A União Desportiva do Songo conseguiu manter a estrutura do ano passado, assegurando que os seus melhores jogadores facilitem a transição de uma era em que a equipa era treinada por Artur Semedo para aquela que está por vir, que tem Chiquinho Conde como timoneiro, dois técnicos com formas diferentes de abordar o jogo.

O presidente dos hidroeléctricos, José Costa, diz estar feliz pelo facto de os melhores jogadores continuarem na equipa, tendo em conta que, a par de mais alguns jogadores novos, maioritariamente escolhidos pela nova equipa técnica, vão tornar o plantel à altura de enfrentar uma época que acredita que vai ser extremamente difícil.

O melhor que nos aconteceu foi ter conseguido manter a espinha dorsal. Dos 32 jogadores do ano passado vinculados ao clube, entre os que jogavam na equipa e aqueles que estavam emprestados, só transitaram 17. Este é o número dos jogadores que jogavam mais vezes na equipa do ano passado. Garantir a base para este ano é bastante positivo para a equipa, disse Costa.

Entre aqueles que deram pouco concurso à equipa, não vão continuar a envergar a camisola dos vencedores da Taça de Moçambique/2016 o guarda-redes Wilson, Hermínio, Jerry, Tchitcho (contratado pelo Costa do Sol), o sul-africano Bongani, Betinho, Jorge e Stélio, estes dois últimos associados ao Ferroviário de Nampula.

Não há saídas de vulto. Saíram aqueles que tiveram poucas oportunidades de jogar quando a equipa era treinada pelo mister Artur Semedo, afirmou o presidente hidroeléctrico, confirmando que o avançado Rodrigues Chereque vai continuar na equipa. Depois da excelente época que desenvolveu ele foi muito assediado e chegou-se a dizer que tinha como destino o Ferroviário de Nampula, mas já renovou e vai ser uma das unidades de enorme valia para a equipa, esclareceu.

Joca Estêvão/Arquivo