Vamos ficar com jogadores que somos capazes de pagar

Sétimo classificado do Moçambola/2016, com 39 pontos, menos 13 que o campeão Ferroviário da Beira e finalista vencido da Taça da Liga BNI e Taça de Moçambique/mCel, o Maxaquene está a sofrer uma sangria no seu plantel principal.

Quase todos os jogadores de destaque estão de saída do clube.

Os nigerianos Luckman e Okhan já têm acordo firmado com o Clube de Chibuto. O guarda-redes internacional Guirrugo vai representar o Costa do Sol, enquanto os defesas Zabula e Butana chegaram a acordo com o Ferroviario de Nampula. O médio-ofensivo Massawa rumou para o Ferroviário de Nacala.

Ainda sem destino certo estão o valioso vançado Isac Carvalho e o capitão Paíto. Os atletas terminaram os vínculos contratuais com o clube e não os renovaram.

Em 2017 as novas referências dos campeões nacionais de 1984, 1985, 1986, 2003 e 2012 são o guarda-redes Basílio, Bruno, Danilo, Fachy, Tobias e outros que na época passada tinham as suas imagens abafadas pelos que agora estão de saída do clube tricolor.

Para perceber a razão de o Maxaquene estar a perder as suas mais-valias a Reportagem do desafio foi ao encontro do presidente da colectividade, Ernesto Júnior, que se justifica da incapacidade de manter no clube atletas que recebem salários altos e incompatíveis com a capacidade da instituição que dirige.

Narciso Nhacila/Arquivo