Só com bom trabalho na formação é que teremos resultados nos seniores

É que durante o Conselho Coordenador, que decorreu entre quinta e sexta-feira na cidade de Inhambane, ficou claro que, apesar de existirem muitas iniciativas de massificação pelo país adentro,é preciso que se faça uma melhor coordenação entre o governo e outros actores.

Assim, segundo os participantes, é preciso fazer-se o alinhamento das iniciativasprivadas de massificaçãodesportiva como forma de garantir o desenvolvimento do desporto, devendo-se socializar as principais opções com o movimento associativo desportivo.

Para os quadros do MJD, a massificação desportiva deve consubstanciar-se como um instrumento para o desenvolvimento da educação e saúde, com especial enfoque para o desporto escolar, que constituiu a base para o desenvolvimento do desporto de alta competição.

Entretanto, devido à existência de fraqueza nas camadas de formação,recomendou-se formação de professores de Educação Física especializados nas várias modalidades desportivas, o que aliás já está acontecer no âmbito da preparação dos XII Jogos Escolares, Pemba-2015.

Massificação deve descer até ao bairro

O ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula,apelou mesmo para a necessidade de se traçar uma estratégia nacional coerente, exequível e ao alcance de todos.

- É que, se a alta competição é da responsabilidade dos clubes, das associações e das federações, a massificação é nossa. Em conjunto com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, assim como com outros parceiros directamente ligados à matéria, temos de encarar a massificação com a atenção que ela merece.

Para Nkutumula, não se pode continuar a discutir a massificação como um mero exercício de retórica.

- Temos de passar da teoria aos factos concretos, de modo a fazermos da massificação o movimento que realmente irá engrandecer o nosso mosaico desportivo.

A questão da massificação foi discutida após a apresentação do tema “Desafios da massificação desportiva”pela directora nacional do Desporto, Amélia Chavana, que defendeu que, com uma maior harmonização das diferentes iniciativas, é possível que se alcancem a longo prazo melhores resultados desportivos.