Binó, Bhéu e Joca reforçam locomotivas de Sérgio Faife

O Ferroviário de Nacala já tinha contratado jogadores experientes como Zé Rasta, o avançado Binó, ambos saídos do Estrela Vermelha da Beira, Manecas (ex-Chingale) e Bila (ex-Ferroviário de Pemba), além Micas e Tony, jovens que foi buscar ao Têxtil do Púnguè. Mas também contratou Lamá, um guarda-redes que já passou pelos “Mambas”. Estes elementos juntavam-se a outros jogadores à procura de um lugar ao sol.

Inconformada, sempre em busca de outros valores que pudessem dar maior consistência à equipa, a direcção dos “locomotivas” de Nacala tratou de encontrar outros nomes. E, para se juntar a Lamá e John, no posto de baliza, foi buscar Binó, que também já envergou a camisola da Selecção Nacional, antes da lesão que o afastou dos relvados durante largo tempo. Binó, recorde-se, saiu da Liga e foi para o Costa do Sol, mas não teve grande notoriedade nos “canarinhos”, acabando por sair, estando neste momento à procura de reencontrar-se com os tempos áureos.

Outro reforço do Ferroviário de Nacala é Bhéu, que a Liga Desportiva contratou ao Estrela Vermelha da Beira no início de 2014. Bhéu fez vários jogos pela Liga e pode-se dizer que esteve em bom plano, mas com o retorno de Litos acabou por ser emprestado ao Ferroviário de Nacala para trabalhar com Sérgio Faife, com quem foi campeão nacional no ano passado.

O ataque dos “locomotivas” vai poder contar com mais um reforço. Joca Pequenino, que no ano passado jogou pelo Ferroviário de Quelimane, rumando para o HCB na reabertura do mercado, está às ordens de Sérgio Faife. O contrato com o HCB terminava em finais de 2015, mas as partes decidiram rescindi-lo, pois o jogador não constava das opções de Artur Semedo para a presente temporada.

HCB INICIA HOJE

 

O ESTÁGIO NA RAS

A equipa do Grupo Desportivo da HCB do Songo inicia hoje o seu estágio pré-competitivo na vizinha África do Sul com vista à presente temporada. Segundo a direcção dos “hidroeléctricos”, a equipa estará no centro de alto rendimento da Universidade de Pretória, local onde a selecção argentina, de Lionel Messi, estagiou antes do arranque do Mundial-2010.

Com a finalidade de unir mais o grupo e também reunir alguns elementos que possam ajudar para a definição do plantel para enfrentar as duas principais provas nacionais, designadamente o Moçambola e a Taça de Moçambique, estão previstos, no período do estágio, alguns jogos com equipas sul-africanas, mas não foram referidos os nomes dos tais adversários.

O HCB do Songo, que este ano é treinado por Artur Semedo, regressa no próximo dia 26 de Fevereiro e, posteriormente, deverá efectuar a cerimónia de apresentação da equipa aos seus adeptos, semanas antes do arranque do Moçambola-2015.

Recorde-se que para este ano o HCB se reforçou com Charles Swini, guarda-redes da selecção malawiana, Stélio (ex-Ferroviário de Nampula), Rodjas (ex-Desportivo de Nacala), Aguiar (ex-Liga Desportiva), Cremildo (ex-Desportivo de Maputo), Dário Chissano (ex-Chibuto), Vling (ex-Maxaquene), Orlando (Ferroviário de Quelimane), Kelo (ex-Têxtil do Púnguè) e ainda o avançado Banda, vindo do Malawi.

Deixaram de fazer parte da equipa do ano passado, além do já referenciado avançado Joca, os guarda-redes Bruno, Chico e Samito; o defesa Caló; Fabrice; Jacob; Eurico; Dangalira; e Lewis, que mesmo tendo contrato com os “hidroeléctricos” está vinculado ao Ferroviário de Maputo.

CONTRAIU UMA ENTORSE

Vasil lesionado

O lateral direito Vasil, este ano a representar o Ferroviário de Maputo, contraiu uma entorse num jogo-treino frente ao Maxaquene, no campo deste, devendo estar afastado dos trabalhos por algumas semanas.

Vasil é um dos laterais direitos que foi contratado para dar seguimento ao modelo de jogo instituído pelo Ferroviário, em que os laterais são chamados, além de defender bem, a conduzir as jogadas ofensivas pelas alas. Recorde-se que além Vasil, vindo do Ferroviário de Nampula, Vítor Pontes dispõe, para a mesma posição, de Barrigana e Solomone, que transitaram da época passada, e Pedrito (ex-Estrela Vermelha).

Importa referir que a lesão de Vasil é consequência do piso irregular do campo dos “tricolores”, que poderá fazer outras vítimas caso o problema não seja resolvido atempadamente. Lembre-se que este ano a equipa principal do Maxaquene tem feito as suas sessões de treino naquele local. 

Texto de Joca Estêvão

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Fotos de Domingos Elias e Luís Muianga