Moçambique empurra Angola para último lugar do Mundial

A Selecção Nacional de Angola terminou em último lugar no Mundial da Turquia, muito por culpa das duas "chapa-100" que averbou diante da Sérvia e Estados Unidos da América.

Na estreia, frente a Sérvia, Angola perdeu por 102-42, começando a competição com um saldo negativo de 60 pontos.

Na jornada seguinte, as bi-campeãs africanas voltaram a perder, desta feita diante da China, por 65-39, co

nsentindo mais 26 pontos negativos.

Para a terceira e última jornada do Grupo-B, as angolanas sofreram a segunda "chapa-100" da competição, diante dos Estados Unidos da América, por 119-44.

Um saldo de três derrotas em igual número de jogos que fez com que as angolanas tivessem um acumulado de 161 pontos negativos.

No total, Angola marcou 125 pontos e sofreu 286, uma média de 41.7 pontos marcados e 95.6 sofridos por jogo e um coeficiente negativo de 161 pontos.

Esse viria a ser, afinal, o pior saldo das 16 equipas presentes no Mundial da Turquia.

Logo acima de Angola esteve Moçambique que, aliás, pode lamentar-se dos 44 pontos de diferença que sofreu na derrota diante da França (89-45) para não terminar em 14º ou mesmo 13º lugar da classificação final, onde ficaram respectivamente o Japão e Coreia do Sul.

Enquanto Moçambique registava de três derrotas em igual número de jogos que o Japão e Coreia do Sul, descia na classificação por causa de uma média de 51 pontos marcados e 74 sofridos por jogos e um coeficiente de menos 69 pontos.

O Japão ficava-se em 14º com coeficiente de menos 61 pontos - oito acima de Moçambique - e uma média de 54.3 e 74.7 pontos marcados e sofridos, respectivamente.

A melhor posição entre as quatro equipas que terminaram em último nos respectivos grupos foi ocupada pela Coreia do Sul que, com um coeficiente negativo de 55 pontos, registou uma média de 58.3 pontos marcados e 76.7 sofridos.

ÚLTIMO JOGO FOI CONTRA A TURQUIA

O último jogo de Moçambique no Mundial da Turquia foi, curiosamente, o melhor dos três que a equipa disputou na competição quer em termos ofensivos assim como defensivos.

Se contra o Canadá e a França as vice-campeãs africanas haviam sofrido 69 e 89 pontos, respectivamente, enquanto marcavam 54 e 45 pontos, frente as turcas a prestação foi positiva nas duas variáveis.

É verdade que os dois primeiros períodos foram maus, quando esteve sempre a perder pelos parciais de 18-12 e 18-11, mas em toda a segunda parte o cenário foi diferente.

As moçambicanas equilibraram o terceiro período e terminaram a perder por 19-15, com um saldo negativo de 53-38, mas já ganharam o terceiro e último, por 16-11.

Assim, o resultado fixou-se em 64-54 a favor da Turquia, num jogo em que Eleonora Rangelova, da Bulgária, foi a Comissária da FIBA.

Sob arbitragem de Amy Bonner (EUA), Tomas Jesevicius (Lituánia) e Babacar Gueye (Senegal), as duas equipas alinharam e marcaram da seguinte maneira:

MOÇAMBIQUE:Valerdina Manhonga, Deolinda Ngulela (9), Aná Flávia, Anabela Cossa (7), Ilda Chambe, Cátia Halar (1), Filomena Micato (3), Leia Dongue (17), Rute Muianga (6), Regina Mahoche, Odélia Mafanela (4) e Deolinda Gimo (7)

Treinador:Nazir Salé

TURQUIA:Tugba Palazoglu (5), Tugce Canitez (6), Cansu Koksal (7), Birsel Vardarli, Begum Dalgalar (10), Esmeral Tuncluer (2), Isil Alben (3), Nevriye Yilmaz (2), Lara Sanders (3), Tilbe Senyurek (7), Saziye Ivegin (13) e Bahar Caglar (6).

Treinador:Ceyhun Yildizoglu

Estivemos bem para primeira participação

- Odélia Mafanela, jogadora da Selecção Nacional

"Penso que nós estivemos bem em comparação às demais equipas africanas que vem participando nos campeonatos do mundo. Por ser a primeira vez, penso que mostramos ter um grupo coeso e conseguimos colmatar as dificuldades que tínhamos. A presença no Mundial faz com que possamos disputar o Afrobasket do próximo ano com uma perspectiva diferente. Basta ver que nem todas as equipas podem disputar um Campeonato do Mundo. É verdade que nós não conseguimos conquistar o Afrobasket de 2013, mas tivemos a possibilidade de estar no Campeonato do Mundo. Esse facto muda muita coisa em termos de postura que teremos no próximo Afrobsket."